IGCP: Portugal “continuará no lixo mais 12 meses”

Portugal é "lixo" para as principais agências de notação financeira. E vai continuar a sê-lo nos próximos meses. "Uma mudança de 'rating' antes de 12 meses parece-me difícil", diz Cristina Casalinho.

Além da DBRS, mais nenhuma agência de notação financeira avalia a dívida portuguesa como investimento de qualidade. Portugal é “lixo” para as três grandes do setor, situação que o Governo acredita poderá mudar a breve trecho. Mas Cristina Casalinho, a presidente do IGCP, não acredita que isso aconteça. Prevê que só para o próximo ano o país possa sair de “lixo”.

A maneira como as decisões das agências são tomadas é que, primeiro, há um outlook positivo e depois só na avaliação seguinte é que pode haver uma melhoria do rating. Não me parece que nesta ronda tenhamos uma melhoria do outlook. Já tivemos este ano informação da Moody’s e da Fitch sem subidas, e não me parece que a S&P o vá fazer”, disse em entrevista ao Público (acesso pago).

É neste sentido que a presidente do IGCP antecipa que serão precisos “mais seis meses para a subida do outlook e, portanto, uma mudança de rating antes de 12 meses parece-me difícil“. Assim, será preciso esperar por 2018, na perspetiva de Cristina Casalinho, para que o país possa contar com uma classificação mais favorável que ditará juros mais baixos nos leilões de dívida.

A subida do rating por parte das três maiores agências, a Moody’s, Fitch e S&P, é aguardada com expectativa pelo Governo. Recentemente, Mário Centeno disse acreditar que seria possível a breve prazo contar com subidas de rating. No entanto, até agora nenhuma delas sinalizou que poderá fazê-lo a breve trecho.

“Para entrar em outros investidores internacionais, nós precisamos de trabalhar muito afincadamente na melhoria dos ratings da nossa economia e é o grande desafio que temos pela frente”, afirmou o ministro à Reuters. “Olhando para aquilo que é a análise temporal que as agências tipicamente fazem e para os números da economia portuguesa, estou muito esperançado, e trabalharemos nesse sentido, para que isso aconteça”.

Rating é chave para juros mais baixos

Portugal tem sido confrontado com taxas de juro cada vez mais elevadas nos mercados. Os juros a dez anos têm-se mantido acima dos 4%, uma taxa que, ainda assim, Cristina Casalinho considera “aceitável”. Para conseguir taxas mais baixas, será preciso que os ratings subam, sendo que para isso é preciso cumprir três requisitos, diz a presidente do IGCP.

“Há três aspetos em que os relatórios das agências coincidem: o nível global de endividamento da economia como um todo é elevado, a dívida externa é das mais altas do mundo — eles já nem distinguem se a dívida é pública ou privada, olham muito mais de uma forma abrangente. O segundo fator é o crescimento e o terceiro o setor bancário, nomeadamente por causa do aspeto das responsabilidades contingentes”, refere.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IGCP: Portugal “continuará no lixo mais 12 meses”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião