Empresas familiares na Euronext? Portugal põe oito

O Euronext Family Business Index já tem as 90 empresas europeias. E Portugal está bem representado. Há oito catadas nacionais neste índice familiar, desde a Sumol+Compal até à Galp Energia.

O Euronext Family Business Index já tem cotadas. Foram selecionadas 90 empresas nos quatro mercados da Euronext para o arranque deste novo índice, com Portugal, apesar da reduzida dimensão da praça portuguesa, a ficar com uma representação de quase 10%. São, no total, oito as cotadas nacionais pioneiras neste cabaz de empresas familiares, desde a Sumol+Compal até à Galp Energia.

AB Inbev, Peugeot e ArcelorMittal são apenas algumas das nove dezenas de cotadas que vão passar a integrar este novo índice europeu destinado a englobar empresas familiares. Entre essas gigantes, há também os “pesos pesados” nacionais: Galp Energia e Jerónimo Martins são duas das oito empresas que o mercado nacional conseguiu colocar num índice com três divisões: grandes, médias e pequenas empresas.

Esta divisão permitiu que Portugal conseguisse uma representação expressiva no índice agora lançado. Entre médias e pequenas, o mercado português contribui ainda com a Mota-Engil, a Impresa, a Sonae Capital, a Corticeira Amorim, a Sonaecom, mas também a Sumol+Compal, para o índice Euronext Family Business, lançado esta terça-feira, dia 21 de fevereiro.

Estas oito empresas cumprem com os três critérios definidos pela gestora de mercado de capitais europeus (em Paris, Bruxelas, Amesterdão e Lisboa). Primeiro que a pessoa que criou a empresa, ou os seus familiares, tenha “influência significativa no controlo do negócio”, segundo que “pelo menos um representante da família esteja evolvido na gestão da empresa” e, por último, que “a próxima geração garanta o controlo ou demonstre que quer assumir a empresa”.

Além destas empresas pioneiras dos quatro países cobertos pela Euronext, a operadora da bolsa vai ainda prestar apoio e assistência aos pequenos empresários que pretendam colocar os seus negócios no mercado de capitais. A iniciativa inclui roadshows em toda a Europa para encontros com os investidores, cobertura financeira através de um programa da Morninstar e uma secção exclusiva no site da Euronext.

Há mais de 14 milhões de empresas familiares no Velho Continente, representando 60% do total de empresas na região. A nível mundial, os negócios familiares representam 66% do total das empresas, gerando cerca de 70% da riqueza global produzida por ano, segundo um estudo da KPMG.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas familiares na Euronext? Portugal põe oito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião