Em atualização PSD indica Emídio Guerreiro. Comissão da CGD suspensa

Já há um nome proposto pelo PSD para assumir a liderança da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD). É Emídio Guerreiro. Mas os trabalhos vão ser suspensos.

Paulo Trigo Pereira tinha assumido interinamente a liderança da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), depois da saída de Matos Correia. O PSD propõe agora o nome de Emídio Guerreiro para comandar esta comissão, sendo que tanto PSD como CDS apresentaram um pedido de suspensão dos trabalhos até o Tribunal da Relação tomar uma decisão sobre a correspondência entre Domingues e Centeno pedida pelos deputados.

Emídio Guerreiro, deputado do PSD, é que vai assumir a partir de agora a presidência da comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD. Foi hoje anunciado oficialmente durante a reunião de mesa e coordenadores. O também deputado do PSD vem substituir José Matos Correia, que bateu a porta por considerar que a comissão não estava a cumprir o seu objetivo: apurar a verdade. Matos Correia foi substituído temporariamente por Paulo Trigo Pereira.

Durante esta reunião, o PSD e o CDS também entregaram um requerimento a pedir a suspensão dos trabalhos da comissão até que sejam entregues documentos da CGD, do Banco de Portugal, do Ministério das Finanças e da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Um pedido que não foi votado hoje, explica o coordenador do PSD Hugo Soares, porque as restantes bancadas quiseram que isso acontecesse em plenário da comissão, numa reunião marcada para 1 de março.

Segundo João Paulo Correia, estão “à mercê dos amuos” do PSD e do CDS, acrescentando que “já chega de brincar à banca, o sistema financeiro precisa de estabilidade”. O deputado do PS acusa os partidos da oposição de tudo terem feito para “fragilizar a CGD e o sistema financeiro”.

PCP: Suspensão dos trabalhos era esperada

Miguel Tiago, do PCP, diz que a suspensão dos trabalhos era “esperada”, até porque a “suspensão dos trabalhos foi ponderada desde o início dos trabalhos”. Uma suspensão a que o PSD e o CDS sempre se opuseram, diz o deputado comunista, reiterando que o PCP continua empenhado em perceber o que aconteceu à gestão da Caixa. Já Moisés Ferreira, deputado bloquista, acusa os partidos da oposição de estarem constantemente a interromper e a adiar as audições.

Questionado sobre se isto poderá arrastar ainda mais a comissão, João Almeida diz esperar que não. O deputado do CDS refere que “vamos concluir [a comissão] com todo a informação”, se a esquerda o permitir. Isto depois de a direita ter proposto a criação de uma nova comissão de inquérito à nomeação de António Domingues, conseguido então ter acesso à correspondência trocada entre o ex-presidente da CGD e Mário Centeno. Documentos que a esquerda diz que não devem ser divulgados por violarem a Constituição. João Almeida deixa claro que o CDS não está disponível para apoiar uma comissão cujo objeto é “inconstitucional”.

O texto da resolução que está a ser preparado pelo PSD e CDS “está a ser trabalhado”, diz João Almeida, sem indicar uma data para a sua divulgação. “Vamos propor uma comissão para averiguar aquilo que nos impediram de averiguar nesta comissão.”

Segundo a agência Lusa, Jerónimo Martins reiterou que o partido não se opõe à criação de uma nova comissão, mas questiona os objetivos. “Esse direito democrático e constitucional deve ser salvaguardado”, diz o secretário-geral do PCP. Sem oposição do partido, a iniciativa desses dois partidos poderá avançar desde que seja “no respeito da Constituição e da lei”, sublinhou.

(Notícia atualizada às 16h56 com mais declarações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD indica Emídio Guerreiro. Comissão da CGD suspensa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião