O raio-x de Bruxelas à economia portuguesa

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2017

Basta um minuto e meio para ficar a conhecer os problemas e o diagnóstico que Bruxelas faz da economia portuguesa.

No âmbito do pacote de inverno do Semestre Europeu, a Comissão Europeia publicou esta quarta-feira um relatório em que analisa à lupa as debilidades e as forças da economia portuguesa.

Clique aqui para ver o relatório completo ou leia em baixo o resumo do diagnóstico e dos alertas feitos por Bruxelas para a economia portuguesa.

Situação macroeconómica

  • Crescimento moderado em 2016, fomentado pelo consumo privado e pelas exportações

Desequilíbrios excessivos

  • A posição líquida de investimento internacional melhorou mas permanece negativa
  • A dívida do setor privado está a diminuir lentamente mas o crédito mal parado é ainda elevado
  • A dívida pública estabilizou mas a um nível elevado
  • O desemprego continua a diminuir mas permanece elevado
  • O mercado de trabalho continua segmentado com um elevado número de postos de trabalho temporários
  • A desigualdade de rendimentos diminuiu mas continua entre as mais elevadas na UE

Progresso em matéria de recomendações específicas

Algum progresso

  • No reforço dos incentivos às empresas para que contratem numa base de contratos permanentes
  • Na eliminação das barreiras regulamentares e na melhoria do ambiente empresarial

Progresso limitado

  • Na execução de reformas orçamentais estruturais
  • Na garantia que o salário mínimo é coerente com os objetivos de promoção do emprego e da competitividade entre setores
  • Na ativação eficaz dos desempregados de longa duração
  • Na redução do elevado montante de crédito mal parado e na melhoria do acesso ao financiamento

Situação orçamental

  • Défice excessivo, prazo de correção em 2016
  • Dívida pública acima de 60 % do valor de referência do PIB, a ser colocada no sentido descendente adequado
  • Plano Orçamental de 2017 avaliado como em risco de não cumprimento com as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento

Destaques de políticas

Educação socialmente inclusiva

  • Várias iniciativas destinadas a reduzir as desigualdades em termos de educação e insucesso escolar
  • Baseadas numa maior autonomia da escola, as iniciativas dirigem-se a necessidades locais específicas, ajudando estudantes em risco de insucesso escolar
  • Em conjunto, contribuem também para aumentar o nível médio de competências básicas da população

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O raio-x de Bruxelas à economia portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião