BCE lucra com a dívida. E o Bundesbank? Não

  • ECO e Lusa
  • 23 Fevereiro 2017

O aumento das provisões para fazer face a riscos resultantes da compra de dívida são a principal justificação para a quebra dos resultados do banco central germânico no ano passado.

O Bundesbank reduziu em 2016 o lucro para 963 milhões de euros, menos 69,8% do que em 2015, por ter aumentado as provisões para cobrir riscos resultantes da compra de dívida, anunciou hoje o supervisor financeiro alemão.

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, explicou que o banco central aumentou estas provisões em 1.800 milhões de euros, para 15.400 milhões de euros, devido ao risco inerente às taxas de juro.

Estes riscos aumentaram porque cresceram as compras de dívida pelo Bundesbank como parte do programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE), salienta a instituição em comunicado. Os riscos associados às taxas de juro produzem desequilíbrios entre o ativo a longo prazo e o passivo de curto prazo.

Os números hoje divulgados pelo banco central germânico surgem uma semana depois de o BCE ter anunciado que no ano passado os seus lucros cresceram 10%, para os 1,19 mil milhões de euros. Um aumento que segundo a entidade liderada por Mario Draghi foi apoiado pelo programa de compra de ativos que tem sido alvo de muita contestação por parte da Alemanha. Para já está previsto que o programa dure até pelo menos dezembro deste ano, data para a qual foi estendido na reunião de dezembro do BCE.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE lucra com a dívida. E o Bundesbank? Não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião