Maioria “chumba” proposta do PSD para travar municipalização da Carris e STCP

  • Lusa
  • 24 Fevereiro 2017

Após um debate no parlamento, PS, PCP, BE, PEV e PAN votaram contra os projetos do PSD para a cessação de vigência da municipalização das transportadoras Carris e da STCP.

A maioria de esquerda na Assembleia da República aprovou hoje alterações aos decretos-lei de municipalização das transportadoras Carris e da STCP, rejeitando o “chumbo” dos diplomas proposto pelo PSD.

No momento da votação, após um debate no parlamento, PS, PCP, BE, PEV e PAN votaram contra os projetos do PSD para a cessação de vigência dos dois diplomas. O PSD votou a favor e o CDS absteve-se, bancada que anunciou uma declaração de voto.

Além das propostas já anunciadas pelo PCP, o Bloco de Esquerda também apresentou propostas de alteração aos diplomas, que agora serão discutidos em comissão parlamentar.

Regimentalmente, as propostas de alteração do PCP e do Bloco de Esquerda baixam agora para discussão na comissão parlamentar.

Os comunistas propõem uma norma travão, para impedir que reverta para o Setor Empresarial do Estado uma qualquer privatização total ou parcial, seja da Carris seja da STCP, e garantir o alargamento da contratação coletiva a todas as empresas da transportadora de Lisboa.

É igualmente proposto que se garanta uma maior articulação entre as autoridades de transportes e os municípios quanto à integração do tarifário e oferta intermunicipal.

Quanto à STCP, propõe-se que o Estado e a Área Metropolitana do Porto (AMP) articulem competências e que os municípios sejam envolvidos na articulação de competências, prevendo-se também a definição de critérios de prestação de serviço público.

O Bloco de Esquerda (BE) propõe igualmente que se mantenha, na Carris, os instrumentos de regulamentação coletiva, uma maior articulação quanto às competências das autoridades de transportes.

A criação de um conselho consultivo da Carris, com representantes de autarquias em torno de Lisboa, como Loures, Odivelas, Amadora, Oeiras e Almada, é proposto também pelos bloquistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria “chumba” proposta do PSD para travar municipalização da Carris e STCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião