PSD propõe reversão da operação da Carris e STCP

Tal como o ECO avançou, o PSD vai propor na apreciação parlamentar que a municipalização da Carris seja revogada. O mesmo aplica-se ao diploma sobre a gestão da STCP.

O PSD vai avançar com os pedidos de cessação de vigência dos decretos-lei relativos à municipalização da Carris e à gestão da STCP pela Área Metropolitana do Porto. Isto significa que, se aprovados, os diplomas são, na prática, revogados. Contudo, o partido que pediu a apreciação parlamentar, o PCP, já anunciou que irá apresentar propostas de alteração, não apoiando a cessação de vigência.

Ao ECO, o deputado social-democrata Luís Leite Ramos justifica a posição do PSD argumentando que do ponto de vista financeiro a solução através de uma concessão a privados é a melhor. “Este modelo [do Governo] é um modelo que não isenta os contribuintes seja a nível local seja a nível nacional“, garante, afirmando que os portugueses vão continuar a compensar as dívidas e o défice de exploração dos serviços públicos de transporte. “Do ponto de vista da eficiência do serviço, temos visto uma perda de qualidade e há problemas de gestão cada vez maiores”, acrescentou.

No caso de Lisboa está por provar que este modelo completamente gerido pela Câmara de Lisboa numa lógica metropolitana seja a melhor solução“, referiu Luís Leite Ramos. O PSD avança assim a revogação dos diplomas, excluindo fazer propostas de alteração, o que vai acontecer pela mão da bancada comunista. “O PCP começou por dizer que era contra a municipalização, mas depois recuou em toda a linha”, atacou o deputado do PSD, referindo que “não quer imaginar que se trate de mais [contrapartidas] a nível sindical”.

“A confirmar-se, a única coisa que o PCP conseguiu foi uma cláusula para impedir a privatização futura, mas uma cláusula destas num decreto-lei não tem valor absolutamente nenhum, uma vez que um Governo qualquer pode alterar isso“, afirma Luís Leite Ramos. A apreciação parlamentar vai estar em discussão esta sexta-feira de manhã no plenário, sendo que as votações dos pedidos de cessação de vigência ou das propostas de alteração acontecem às 12h.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD propõe reversão da operação da Carris e STCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião