F-PACE, XF e XE ganham motores mais potentes

A Jaguar aumentou a potência dos seus três modelos. Introduziu dois novos motores a gasolina e um a gasóleo, aproveitando para reforçar a tecnologia. Até dá para pagar o combustível sem sair do carro.

Pouca potência? Nem por isso, mas a Jaguar resolveu dar mais vida aos seus modelos com a introdução de três novos motores, dois a gasolina e um a gasóleo. São a grande novidade nas novas versões do F-PACE, XF e XE que também ganham mais argumentos em termos de tecnologia a bordo. O destaque vai para o sistema de pagamento de combustível… sem ter sequer de sair do conforto do carro.

A Jaguar anunciou a introdução de dois novos motores a gasolina de quatro cilindros e um novo motor a gasóleo de alta performance. Os motores a gasolina são ambos 2.0, mas com potências diferentes: 250 cv e 200 cv, e quatro cilindros, disponíveis no XE e XF. No caso do XE, o 3.0 V6 que está no F-TYPE, passa a estar disponível com 380 cv, ou seja, mais 40 cv que na anterior geração.

O F-PACE passa a contar com o 2.0 a gasolina de 163 cv que promete consumos de 4,8 litros aos 100 km, mas a grande novidade está no motor a gasóleo que partilhará com o XE e XF. A marca passa a disponibilizar nos três modelos um 2.0 bi-turbo de 240 cv, com 500 nm de binário, disponível com a caixa automática de oito velocidades que permite chegar aos 100 km/h em 7,2 segundos. Consumo? 5,8 litros.

Ao gosto do condutor

Há motores mais potentes, mas no XF e XE há também mais oportunidades de personalização da experiência de condução através do Sistema Dinâmico Configurável, disponibilizado como opção independente. Este sistema permite aos condutores configurar o veículo conforme as suas preferências pessoais através da seleção dos modos Normal ou Dynamic para o motor, caixa de velocidades e direção.

“O Sistema Dinâmico Adaptativo, que permite aos condutores adaptar as configurações da suspensão em complemento às do motor, caixa de velocidades e direção quando conjugado com o Sistema Dinâmico Configurável, continua disponível como anteriormente para proporcionar o expoente máximo da personalização dinâmica”, nota a marca.

Mais tecnologia… até na hora de abastecer

A Jaguar reforçou a potência dos seus modelos, mas não se esqueceu de reforçar tanto o conforto, com encostos de cabeça com apoios laterais, como a tecnologia a bordo. Neste campo, destaque para a tecnologia Dual View, agora presente nos três modelos, que permite ao condutor e ao passageiro dianteiro visualizarem ecrãs diferentes de informação e entretenimento utilizando o ecrã tátil de dez polegadas.

Mais impressionante que o Dual View é o facto de, a partir de agora, o ecrã tátil dos modelos Jaguar XE, XF e F-PACE permitir pagar o combustível nos postos de abastecimento Shell. Como? No ecrã, selecionar a quantidade de combustível que necessitam e pagar com PayPal ou Apple Pay. É uma novidade que já está disponível no Reino Unido mas vai chegar aos clientes dos restantes mercados, aqueles que tiverem, pelo menos, 44.681 euros para pagar pelo XE, 50.402 pelo XF e 54.651 pelo F-PACE.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

F-PACE, XF e XE ganham motores mais potentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião