BdP defende lei que obriga fisco a publicar dados offshores

  • ECO
  • 27 Fevereiro 2017

O parecer da instituição liderada por Carlos Costa é de novembro. Regulador diz que divulgação "permitirá, até, ao Banco de Portugal validar a qualidade dos dados que recolhe".

A divulgação por parte do fisco das estatísticas das transferências e envio de fundos para centros offshores é bem vista pelo Banco de Portugal (BdP), uma vez que permite ao supervisor validar a qualidade de informação que recebe das instituições financeiras relativamente às operações de serviços de pagamento relacionadas com contas sediadas em paraísos fiscais.

A avaliação do BdP surge num parecer com data de 30 de novembro, avança o Público (acesso condicionado) na edição desta segunda-feira e é portanto anterior à divulgação do caso divulgado por aquele diário a semana passada sobre a polémica à volta do não tratamento por parte do fisco de algumas declarações sobe transferências para offshores no valor de 10 mil milhões de euros referentes ao período de 2010 a 2014.

O Banco de Portugal considera positivo a proposta do Bloco de Esquerda que passa pela obrigação de publicar as estatísticas passar a estar inscrita na Lei Geral Tributária (LGT), escreve aquele diário.

Aplaude-se, assim, a presente iniciativa, que permitirá, até, ao Banco de Portugal validar a qualidade dos dados que recolhe”, escreve a instituição liderada por Carlos Costa.

Por seu turno a Inspeção Geral de Finanças (IGF) considerava não ser necessário incluir na Lei Geral Tributária essa norma. A IGF pronunciou-se também antes de ser conhecido o caso das offshores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP defende lei que obriga fisco a publicar dados offshores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião