Wall Street abre em ligeira queda depois de uma semana em alta

  • ECO
  • 27 Fevereiro 2017

A bolsa norte-americana abriu esta segunda-feira a descer um pouco em relação à semana anterior.

A bolsa norte-americana abriu esta segunda-feira a descer um pouco em relação à semana anterior, em que registou valores recorde. Os investidores continuam à espera do discurso de Donald Trump no Congresso, esta terça-feira, sobre a reforma nos impostos.

Acompanhando a descida de 0,09% para 2.365,23 pontos do índice de referência mundial S&P 500, também o índice tecnológico Nasdaq perdeu 0,18% para 5.835,04 pontos. Já o industrial Dow Jones perdeu 0,06% para 20.808,71 pontos. Este valor do último índice vem pôr fim a uma contagem crescente de sessões consecutivas de ganhos, a mais longa desde 1987.

Os investidores têm estado atentos às promessas do Presidente Donald Trump, e vão estar de olhos postos na sessão do Congresso desta terça-feira, de onde poderão retirar pistas sobre as propostas para a reforma nos impostos que o Chefe de Estado prometeu e os seus planos gerais para o novo sistema de saúde, que virá substituir o Obama Care.

Trump adiantou há semanas que faria um anúncio “fenomenal” relativamente aos impostos, que ajudou a levantar os ânimos no pós-eleições e lançou os mercados numa subida para níveis recordes. Níveis esses que agora estão a descer porque a cautela está a começar a substituir o entusiasmo.

Os mercados estão a negociar com mais cautela, já que ainda não têm muitos detalhes sobre os próximos planos do Presidente. As ações dos setores dos serviços públicos e das telecomunicações, que normalmente jogam à defesa, superaram os valores dos outros setores na semana passada.

Em termos empresariais, destaque para as ações da Apple que seguiam quase inalteradas nos 136,72 dólares, apesar de Warren Buffett da Berkshire Hathaway ter adiantando em entrevista à CNBC que duplicou a sua posição na tecnológica este ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street abre em ligeira queda depois de uma semana em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião