Roberto Azevêdo reeleito presidente da OMC

A Organização Mundial do Comércio já tem presidente. Roberto Azevêdo, que contou com o apoio de Portugal, foi reeleito para o cargo por mais quatro anos.

Depois de Roberto Azevêdo vem… Roberto Azevêdo. Foi reeleito para um segundo mandato à frente a Organização Mundial do Comércio (OMC). O brasileiro começa o seu novo mandato no arranque de setembro, ficando à frente da organização que já liderava durante mais quatro anos.

Azevêdo contou com o apoio de vários países para ser reconduzido neste segundo mandato. Entre eles, Portugal. “O primeiro mandato foi muito bom, representou uma valorização da OMC e Portugal apoiou desde a primeira hora a reeleição do diretor-geral”, disse Augusto Santos Silva na abertura da 34ª reunião do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, na Suíça.

Este segundo mandato de Roberto Azevêdo deverá, contudo, ser mais atribulado. Pela frente, o brasileiro terá o novo presidente dos EUA, Donald Trump, que tem vindo anunciar medidas protecionistas. A reeleição acontece no dia em que Trump vai apresentar perante o Senado a sua visão económica.

A administração de Trump tem, segundo o Financial Times, vindo a procurar alternativas à OMC para resolver as disputas com outros países, numa altura em que os EUA procuram fomentar o consumo de produtos norte-americanos.

Recorde-se que uma das primeiras medidas de Trump desde que chegou à Casa Branca foi a de assinar uma ordem executiva para retirar os EUA do Acordo de Associação Transpacífico. E agora está a planear renegociar o Nafta, um acordo com 23 anos entre os EUA, Canadá e México.

O apelo ao protecionismo dos EUA já mereceu críticas do agora reeleito presidente da OMC. Numa entrevista o Bild, um diário alemão, Roberto Azevêdo disse que uma guerra comercial global seria “catastrófica”, sublinhando que a “América nunca será ‘grandiosa outra vez’ sem um mercado aberto”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Roberto Azevêdo reeleito presidente da OMC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião