Comissão CGD: Deputados vão ter acesso aos emails

A esquerda recuou na decisão de impedir a visualização dos emails trocados entre o ex-presidente da CGD e o Ministério das Finanças. Os SMS ficam fora deste âmbito.

Os deputados do PS, PCP e BE recuaram na decisão de não divulgar a correspondência trocada entre António Domingues e Mário Centeno. Há 15 dias, a esquerda tinha impedido a admissibilidade dos documentos, mas esta quinta-feira recuou parcialmente na decisão, deixando que, ainda assim, a documentação possa ser consultada e divulgada. A decisão foi tomada na primeira reunião liderada por Emídio Guerreiro, após a demissão de Matos Correia.

Contudo, os deputados não vão poder fotocopiar a correspondência em causa. Além disso, a consulta dessa documentação só poderá ser feita numa sala à parte. Apesar de ter permitido a divulgação dos emails, a esquerda continua a não permitir a admissibilidade dos SMS, cujo conteúdo veio sendo público nas últimas semanas e que Lobo Xavier mostrou ao Presidente da República.

O pedido foi feito novamente pelo CDS de forma potestativa. Anteriormente, um pedido semelhante tinha sido chumbado pela esquerda. A 14 de fevereiro, PS, PCP e Bloco de Esquerda votaram contra a admissão dos documentos enviados pelo presidente demissionário da CGD por estarem fora do âmbito da comissão de inquérito. Nessa reunião foram também chumbados os requerimentos do CDS e do PSD sobre as mensagens de telemóvel trocadas entre o presidente demissionário do banco do Estado e Mário Centeno.

Pedido de suspensão dos trabalhos adiado

O PSD e o CDS adiaram o pedido de suspensão dos trabalhos da comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos. Assim a decisão fica empurrada mais uma vez para uma nova reunião da comissão. Em causa está uma paragem nos trabalhos para esperar pelos documentos que revelam a lista dos principais devedores da CGD, acesso que já foi aprovado pelo Tribunal da Relação de Lisboa mas que o Banco de Portugal, a CMVM e o Ministério das Finanças vão recorrer. Os deputados do PSD e CDS querem esperar até ter essa documentação para continuarem os trabalhos do inquérito.

No entanto, o deputado social-democrata Hugo Soares revelou nesta reunião estar disponível para primeiro fazer as audições com caráter urgente já pedidas, antes que a suspensão dos trabalhos aconteça. O PCP levantou a questão da gestão de recursos humanos, dado que o grupo parlamentar é pequeno e a suspensão poder resultar no desenrolar de duas comissão parlamentar de inquérito à CGD em simultâneo. Em causa está a tomada de posse a 14 de março da nova comissão sobre a nomeação e demissão de António Domingues.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão CGD: Deputados vão ter acesso aos emails

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião