Esquerda ataca Carlos Costa, direita defende

Carlos Costa está no centro da polémica. A esquerda quer afastá-lo de Governador do Banco de Portugal. A direita, que o reconduziu, quer mantê-lo. Mas o Governador é cada vez mais um homem só.

O Governador do Banco de Portugal está no epicentro político nacional. Depois de meses sossegado, a guerra está declarada ao Governador do Banco de Portugal sendo mesmo o alvo preferido dos políticos de esquerda. A direita, que o reconduziu no cargo — meses antes do governo de Costa, o primeiro-ministro, ter tomado posse — tenta segurar o Governador. Mas Costa está cada vez mais isolado.

A última semana foi, de resto, particularmente penosa para o homem responsável pela supervisão bancária nacional. Primeiro foi a lista de nomes apresentado por Carlos Costa para a administração do Banco de Portugal a não receberem o aval de António Costa. Depois as reportagens da SIC sobre a queda do BES.

Costa é “acusado” de ter tido conhecimento das fragilidades do banco liderado por Ricardo Salgado e de não ter agido atempadamente e ainda de ter omitido informação na comissão de inquérito. Em causa estarão três relatórios, um apresentado por Fernando Ulrich, presidente do BPI a alertar para a falência do GES, o outro do regulador do Dubai e um último de técnicos do banco central. Este último, apresentado nove meses antes do colapso do banco, defendia mesmo a saída de Ricardo Salgado, mas Costa alegou no Parlamento que não podia ter retirado a idoneidade ao ex-presidente do BES por estar impedido juridicamente.

Mas vejamos o que dizem os vários partidos.

BE. Catarina Martins aponta para “falha grave”

A líder bloquista esteve este fim de semana particularmente ativa a apontar baterias ao Governador do Banco de Portugal. Catarina Martins é taxativa “o Governador tem de sair” e invoca “várias falhas graves” por parte do regulador na supervisão da banca. Falhas graves é de resto o único motivo pelo qual um Governador do Banco Central pode ser exonerado do cargo para o qual foi reconduzido pelo Executivo de Passos Coelho.

PCP. Jerónimo de Sousa fala em falta de condições

O líder comunista, Jerónimo de Sousa diz que Carlos Costa “não tem condições” para exercer funções. Para Jerónimo de Sousa “a permanência de um Governador em funções com o rasto de decisões lesivas do interesse nacional é de inteira responsabilidade do então Governo de Passos e Portas”.

Jerónimo de Sousa referia-se assim à recondução de Costa à frente dos destinos do Banco de Portugal em 2015 pelo governo PSD/CDS. Costa foi nomeado a primeira vez para o BdP pelo governo de José Sócrates, em junho de 2010.

PS. Carlos César diz que BdP não agiu “atempadamente”

Carlos César, presidente do PS, também veio criticar Carlos Costa, mas foi mais brando do que os partidos à esquerda do PS. “Não há qualquer dúvida que houve falhas muito significativas de supervisão”, disse, referindo-se à atuação do regulador no caso BES. O supervisor não foi “suficientemente atento” nem agiu “atempadamente” sobre o sistema financeiro.

César diz que “o Banco de Portugal não agiu bem, atempadamente e de forma suficientemente atenta e proficiente nos casos que ocorreram e que tiveram tristes consequências no setor financeiro”. Questionado sobre a continuidade de Carlos Costa à frente do Banco de Portugal, o presidente do PS respondeu: “Estamos a refletir sobre essa matéria”.

Governo. António Costa e a “inamovibilidade”

As críticas do Governo liderado por António Costa não são novas. Mal entrou em funções, o Executivo, quer pela voz do primeiro-ministro, quer pela voz de outros intervenientes, sempre apontou baterias a Costa, o Carlos. Do Banif ao BES (dívida sénior, solução dos lesados) passando pelo Novo Banco, o Governo não poupou o Governador.

Este fim de semana e em plena erupção dos acontecimentos, António Costa veio dizer que o Governo tem trabalhado de “forma leal e construtiva” com Carlos Costa. E o estatuto do Governador do Banco de Portugal não foi esquecido: tem um “estatuto de inamovibilidade e sujeito à fiscalização própria do sistema de supervisão europeu”.

CDS-PP. Assunção Cristas destaca “gestão antiquada”

A líder do CDS-PP tentou afastar-se da polémica à volta da continuidade ou não de Carlos Costa à frente dos destinos do banco central português. Para Cristas, a organização e gestão interna do BdP deve ser melhorada na medida em que “é muito antiquada“. Cristas disse ainda que “respeita e reconhece” o estatuto de independência da instituição.

De resto, Assunção Cristas já anteriormente afirmou que o modelo de regulação tem “mostrado deficiências”. Recorde-se que Cristas chegou mesmo a propor uma revisão Constitucional que alterasse o modelo de nomeação do Governador do Banco de Portugal. Mas deixou o alerta: “não confundamos: dizer que o modelo tem que ser melhorado não é criticar pessoas”.

PSD. Passos Coelho destaca condições “para cumprir mandato”

O líder do PSD, responsável pela recondução de Costa à frente do BdP diz que não conhece qualquer fato que impeça o Governador de levar o seu mandato até ao fim. Passos lembrou o estatuto de independência do supervisor que “deve ser respeitado”. E Passos apontou também ele baterias mas…ao Governo. “Tenho assistido ao longo de mais de um ano a ataques políticos muito fortes que são dirigidos pessoalmente ao governador e não apenas ao Banco de Portugal”, referiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esquerda ataca Carlos Costa, direita defende

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião