SUV de luxo? Agora é o da DS, o DS7

A DS, marca de luxo do Grupo PSA, já tem um SUV. O DS7 é a aposta para enfrentar os concorrentes alemães num segmento com cada vez maior expressão no mercado europeu.

Só chega oficialmente no próximo ano, mas algumas unidades do SUV de luxo da DS começam a rolar nas estradas já no outono com a versão “La Primière” do DS7. É esta a nova aposta da marca de luxo francesa do Grupo PSA para enfrentar um segmento dominado pelos fabricantes alemães.

Depois do DS3, do DS4 e DS5, a DS apontou para os SUV, naquele que é o primeiro modelo totalmente de raiz da marca. O DS7 Crossback pretende concorrer com da Audi, BMW e Mercedes, contando para isso com argumentos de peso. Alia um ar imponente ao requinte.

As “arestas vivas das asas dianteiras e traseiras esculpem os flancos e fazem sobressair os volumes musculados do SUV”, diz a marca francesa. Contudo, na dianteira, há um novo desenho da grelha, com efeito diamante, apelando a um estilo mais luxuoso que continua no interior.

No DS7 haverá cinco níveis de personalização distintos: Bastille; Rivoli; Faubourg; Opéra; e Inspiration Performance Line, sendo que entre estes há, além dos acabamentos, diferenças no que respeita à tecnologia, seja de ajudas à condução, seja para entretenimento a bordo. A DS propõe, neste campo, dois ecrãs de 12 polegadas.

 

 

Nas ajudas à condução, há desde o Park Pilot, para estacionar, e o Night Vision e Active Led Vision, para a iluminação, mas também o Driver Attention Monitoring, que deteta os sinais de desatenção e de fadiga, o Active Scan Suspension, sistema que adequa a suspensão às condições da estrada, até ao Connected Pilot, que “abre o caminho à condução autónoma”.

Muitos motores. Híbrido só mais tarde

O DS7 só estará à venda em janeiro de 2018. Mas quem quiser muito comprar este SUV de luxo poderá escolher a versão “La Primière” que pode ser encomenda a partir de 7 de março e será entregue a partir de outubro. Equipamento não lhe falta. Falta é escolher o motor do SUV, entre os cinco disponíveis.

 

A marca vai oferecer o DS7 com três motores a gasolina: 1.2 PureTech 130 cv, 1.6 THP de 180 cv e 225 cv, havendo ainda dois a gasóleo já conhecidos no Grupo PSA. Por um lado há o 1.6 BlueHDi de 130 cv S&S com caixa manual e também automática, isto além do 2.0 BlueHDi de 180 cv, neste caso apenas disponível com a caixa automática. Mais tarde vem o híbrido.

“Cada modelo DS terá, a partir de agora, uma versão híbrida ou elétrica de performance, a que chamaremos E-Tense”, diz Éric Apode. A ambição torna-se realidade com o motor híbrido a gasolina recarregável de 300 cv e a tração às quatro rodas, conjunto que estará disponível no DS 7 Crossback a partir da primavera de 2019“, salienta o diretor de produto e de desenvolvimento da DS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SUV de luxo? Agora é o da DS, o DS7

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião