Lisboa reconhece processo de recuperação judicial da Oi

A Justiça portuguesa deu luz verde ao processo de recuperação judicial da Oi formulado no Brasil. Decisão poderá afetar obrigacionistas da antiga PT.

O processo de recuperação judicial a que a Oi está sujeita também já é oficialmente válido à luz da Justiça portuguesa. O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa deu luz verde ao pedido formulado no Brasil e deferido a 29 de junho de 2016 por um tribunal do Rio de Janeiro. Esta nova sentença foi proferida no passado dia 2 de março.

Assim, os credores em Portugal da Oi e da subsidiária Telemar Norte Leste passam a estar abrangidos pelas decisões proferidas pelos tribunais brasileiros à luz do processo de recuperação judicial. Além disso, a decisão poderá ainda afetar detentores de obrigações da antiga PT, na medida em que a Oi fica agora protegida destes credores.

Recorde-se que a recuperação judicial foi a forma encontrada para evitar a falência da maior operadora de telecomunicações do Brasil. A sentença da Justiça portuguesa chegou aos ouvidos da Oi esta segunda-feira, segundo um comunicado submetido pela Pharol à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A empresa compromete-se a informar o mercado sobre “o desenvolvimento” deste assunto.

Entretanto, as ações da Pharol PHR 0,00% continuam a valorizar na bolsa portuguesa. Os títulos seguiam a valorizar 5,34% para os 0,375 euros. Desde o início do ano, os acionistas da Pharol viram os títulos a mais do que duplicar o valor, avançando praticamente 80% desde a primeira sessão de janeiro.

Gráfico: Cotação das ações da Pharol na Bolsa de Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa reconhece processo de recuperação judicial da Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião