Catroga critica descredibilização do governador do BdP

  • Lusa
  • 8 Março 2017

O ex-ministro das Finanças desvalorizou hoje as eventuais falhas na queda do BES por parte do Banco de Portugal, admitindo “muita tristeza” no que diz ser um “movimento de descredibilização".

O ex-ministro das Finanças Eduardo Catroga desvalorizou hoje as eventuais falhas na queda do BES por parte do Banco de Portugal (BdP), admitindo “muita tristeza” no que considera ser um “movimento de descredibilização” do governador do banco central.

“Sou um partidário de instituições independentes, reguladores fortes e independentes do poder político. “Vejo com muita tristeza este movimento de tentativa de descredibilização do governador do Banco de Portugal”, afirmou Eduardo Catroga aos jornalistas, à margem de encontro promovido pelo Internacional Club of Portugal, que decorreu em Lisboa.

O ex-ministro das Finanças foi questionado sobre se está preocupado com a supervisão bancária em Portugal, no seguimento dos documentos revelados num conjunto de reportagens de investigação da SIC, sobre a atuação de Carlos Costa nos anos que antecederam a resolução do Banco Espírito Santo (BES), que acabou por ocorrer em agosto de 2014.

“Não quer dizer que não tenha havido falhas, mas quem é que não falhou?”, interrogou o agora presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, dando o exemplo de falhas de outros reguladores internacionais. “Todos os reguladores tiveram falhas e com certeza que o regulador português também teve falhas”, disse.

Meta do défice não foi atingida

O ex-ministro das Finanças disse também que a meta para o défice de 2016 não foi atingida de forma sustentável, alertando que as medidas extraordinárias, como o ‘perdão fiscal’ não garantem a sustentabilidade das contas públicas.

“O objetivo orçamental foi conseguido, mas não de uma forma sustentável, porque as medidas ‘one-off’ [temporárias] não garantem a sustentabilidade a prazo das contas públicas”, afirmou Eduardo Catroga aos jornalistas.

O antigo ministro das Finanças tinha sido questionado sobre as críticas ao Conselho de Finanças Públicas (CFP), cuja presidente, Teodora Cardoso, disse, numa entrevista ao Público e à Rádio Renascença, que “até certo ponto, houve um milagre” no défice atingido em 2016. “Não vale que alguns agentes políticos, sem substância técnica e só por politiquices, criticarem o CFP”, considerou Eduardo Catroga, afirmando-se “partidário das instituições independentes”.

“Quando aparecem medidas extraordinárias como por exemplo um perdão fiscal, por o investimento quase a zero, que não foram explicitadas, não se pode agora criticar a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), seja o CFP, por pôr reservas à realização do objetivo orçamental”, disse.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Catroga critica descredibilização do governador do BdP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião