Luz Saúde lucra, mas menos. Dívida cresce

  • ECO
  • 8 Março 2017

A dona do Hospital da Luz, controlada pela Fidelidade, da Fosun, registou uma quebra nos lucros. Encolheram em 20% num ano marcado pelo aumento do investimento. A dívida cresceu.

A Luz Saúde fechou o ano com resultados líquidos positivos, mas não evitou uma quebra. Ganhou menos num ano em que aumentou a despesa com os investimentos na expansão da rede. Entre compras e obras de ampliação, gastou 54 milhões, o que fez crescer o montante em dívida para mais de 200 milhões.

A empresa liderada por Isabel Vaz, que é detida pela Fidelidade, da Fosun, apresentou lucros de 17,4 milhões de euros, representando um decréscimo de 20,2% face ao período homólogo (21,8 milhões de euros), diz a Luz Saúde em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“O EBITDA consolidado de 52,1 milhões de euros em 2016 e margem EBITDA de 11,6%, representando um decréscimo de 2,8 pontos percentuais face a 2015, penalizada fundamentalmente pela performance do segmento público (Hospital Beatriz Ângelo)”, refere a empresa.

Esta quebra no EBITDA acontece apesar de a empresa ter registado um “aumento dos rendimentos operacionais consolidados em 6,4% face a 2015, para 450,7 milhões, impulsionado pelo crescimento de 8,3% do segmento privado, apesar do impacto relevante da reintrodução de feriados”.

Mais investimento, mais dívida

A Luz Saúde fez investimentos de um valor total de 54 milhões, dos quais “35 milhões representam investimento de expansão da rede privada, quer em termos geográficos com a aquisição do Hospital da Luz Guimarães, do Hospital do Mar Gaia e com o início da construção de uma nova unidade em Vila Real, quer de unidades já existentes, com o investimento em curso no aumento da capacidade do Hospital da Luz Lisboa, do Hospital da Luz Oeiras e do Hospital da Luz Arrábida”.

“Este nível de investimento associado a um aumento do fundo de maneio de 9,8 milhões, justificado maioritariamente pelo crescimento da rubrica de clientes no segmento privado, originou um aumento da dívida líquida de 25,1 milhões para 212,6 milhões de euros face ao valor de final de 2015“, conclui a empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luz Saúde lucra, mas menos. Dívida cresce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião