Offshores: Declarações escondidas são de 14 bancos

As declarações de transferências para offshores cuja informação não chegou completa aos serviços centrais do Fisco dizem respeito a pelo menos 14 bancos. Mas 88% do valor é do BES/Novo Banco.

As 20 declarações bancárias sobre transferências para offshores que não foram fiscalizadas pela Autoridade Tributária correspondem, pelo menos, a 14 bancos, apurou o ECO junto de fonte fiscal. Neste conjunto, há instituições grandes e pequenas. Contudo, 88% dos 9.733 milhões de euros que escaparam ao controlo dizem respeito ao BES e Novo Banco.

De entre as declarações que foram lidas com erro informático, os quatro documentos que apresentam um valor maior de transferências foram submetidos pelo BES e Novo Banco. A 29 de julho de 2014, o BES submeteu uma declaração com informação referente a 2013 que totalizava transferências no valor de 3.234 milhões de euros. Mas, deste montante, o sistema informático apenas leu operações correspondentes a 273 milhões de euros, deixando de fora os restantes quase três mil milhões de euros.

Em 2015, nos dias 16 e 17 de julho, o Novo Banco submeteu outras duas declarações, referentes a operações verificadas no ano anterior. Mas o software informático quando leu a informação deixou de fora 2.015,9 milhões de euros de um dos documentos, e 823,6 milhões do outro.

Mais tarde, em junho de 2016, o Novo Banco apresenta uma declaração de substituição, referente a transferências ocorridas em 2012, de onde o software só lê 180,8 milhões de euros. Mas afinal estavam no documento mais 2.781,1 milhões de euros.

Contas feitas, ficaram por ler nestas quatro declarações 8.580,8 milhões de euros. Este valor corresponde a 88% do valor total que ficou sem controlo e a 11.236 operações.

Contactado pelo ECO, o Ministério das Finanças remeteu para as declarações do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, na comissão de orçamento e finanças, aos deputados. O governante explicou que não se pode pronunciar sobre o assunto porque o Banco de Portugal considera que a identidade dos bancos que submeteram as declarações está sujeita a sigilo bancário. Sobre a informação que dá conta de 14 bancos envolvidos, o Ministério das Finanças também não se pronunciou.

Rocha Andrade, Paulo Núncio, seu antecessor, Helena Borges, atual diretora-geral da Autoridade Tributária, e José Azevedo Pereira, que dirigia o Fisco em 2011 e 2012, apontam para a existência de um erro informático que impediu a leitura completa dos ficheiros submetidos pelos bancos.

Em causa está uma discrepância nos números identificada aquando da publicação das estatísticas por parte da Autoridade Tributária. O levantamento dos valores reportados nas declarações submetidas pelos bancos com a utilização de um novo software informático permitiu identificar 21.146 operações que não foram transmitidas para os serviços centrais do Fisco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Declarações escondidas são de 14 bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião