Offshores: maior parte das transferências feita por não residentes

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Março 2017

Helena Borges está a ser ouvida sobre os dez mil milhões de euros transferidos para offshores. Diz que três das 20 declarações que não foram vigiadas concentram 80% das transferências.

A maior parte das transferências para paraísos fiscais que escaparam ao controlo do fisco foi feita por empresas não residentes em Portugal, afirmou a Diretora-Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), acrescentando que este é um aspeto “relevante”.

Helena Borges está a ser ouvida no Parlamento sobre os dez mil milhões de euros transferidos para offshores sem controlo do fisco. O tema foi mais tarde abordado pelo deputado socialista Eurico Brilhante Dias, apontando para entidades do grupo BES que tinham sede em Luxemburgo. “É uma presunção, eu não tenho a certeza”, acrescentou Eurico Brilhante Dias, ligando este dado com outro número: três das 20 declarações que não foram vigiadas concentram 80% das transferências.

Helena Borges não quis adiantar detalhes sobre o destino das transferências e também não confirmou se o Banco Espírito Santo regista o maior nível de transferências.

A diretora-geral mostrou-se preocupação com o tema mas referiu que a atenção “centra-se sempre mais nos residentes atenta à circunstância da tributação”.

 

Comentários ({{ total }})

Offshores: maior parte das transferências feita por não residentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião