Offshores: maior parte das transferências feita por não residentes

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Março 2017

Helena Borges está a ser ouvida sobre os dez mil milhões de euros transferidos para offshores. Diz que três das 20 declarações que não foram vigiadas concentram 80% das transferências.

A maior parte das transferências para paraísos fiscais que escaparam ao controlo do fisco foi feita por empresas não residentes em Portugal, afirmou a Diretora-Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), acrescentando que este é um aspeto “relevante”.

Helena Borges está a ser ouvida no Parlamento sobre os dez mil milhões de euros transferidos para offshores sem controlo do fisco. O tema foi mais tarde abordado pelo deputado socialista Eurico Brilhante Dias, apontando para entidades do grupo BES que tinham sede em Luxemburgo. “É uma presunção, eu não tenho a certeza”, acrescentou Eurico Brilhante Dias, ligando este dado com outro número: três das 20 declarações que não foram vigiadas concentram 80% das transferências.

Helena Borges não quis adiantar detalhes sobre o destino das transferências e também não confirmou se o Banco Espírito Santo regista o maior nível de transferências.

A diretora-geral mostrou-se preocupação com o tema mas referiu que a atenção “centra-se sempre mais nos residentes atenta à circunstância da tributação”.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: maior parte das transferências feita por não residentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião