Sindicato dos quadros bancários quer estar presente na supervisão

  • Lusa
  • 9 Março 2017

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários quer que as estruturas que representam os trabalhadores estejam presentes nos órgãos de supervisão das sociedades financeiras.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) quer que as estruturas representativas dos trabalhadores estejam presentes nos órgãos de cogestão e supervisão das sociedades financeiras e alertou para perigos de “regulamentação excessiva” noutras matérias.

“O primeiro ponto é que achamos que devíamos estar presentes e supervisionar, não a operação do dia a dia, mas pelo menos as grandes decisões”, disse Paulo Marcos, à Lusa, à saída de uma audiência com o grupo parlamentar do PS. Paulo Marcos afirmou que “uma boa parte dos problemas comportamentais que surgiram” resulta do facto das estruturas representativas dos trabalhadores, ou seja, os sindicatos, “estarem ausentes dos órgãos de supervisão das sociedades financeiras”.

O líder sindical lembrou que a cogestão “é o modelo dominante na Alemanha e nos países mais avançados da Europa” e que a integração de representantes sindicais nos órgãos de supervisão “assegura que os interesses dos bancos são mais coincidentes com os dos trabalhadores”. “A médio e longo prazo os bancos terão práticas de comercialização menos arriscadas e mais prudentes, isso interessa aos trabalhadores, que têm de ter capacidade para intervir e influenciar a gestão”, frisou.

O segundo ponto abordado na audiência com o grupo parlamentar do PS incidiu sobre o aperfeiçoamento das práticas de vendas e comercialização de produtos financeiros complexos aos balcões dos bancos. “O que nós pedimos foi que as medidas que vão sendo pensadas tenham a atenção à realidade portuguesa para não acontecer em Portugal, o que aconteceu na Islândia, onde uma excessiva regulamentação originou que bancos online do Reino Unido se apropriassem sobre 60% da base de depósitos da Islândia [e depois] tivessem colapsado e tivessem feito colapsar a economia islandesa”, disse.

Paulo Marcos alerta que é preciso olhar para a regulamentação num espaço europeu aberto, onde “operadores não supervisionados podem exercer um efeito desproporcionado sobre os portugueses, a sua economia e as suas poupanças”. “É importante a atenção à regulamentação micro nos locais, é muito importante separar as águas, aumentar o grau de conhecimentos dos cliente e a informação sobre os produtos, mas atenção que isto tem de ser feito olhando para todos os canais de comercialização físicos e online, sejam operadores registados ou não em Portugal”, reforçou.

O sindicato liderado por Paulo Marcos foi hoje recebido no âmbito das audiências que o grupo parlamentar do PS está a realizar a várias entidades relacionadas com o setor bancário e o pacote legislativo que será apresentado para o setor. A 7 de fevereiro, o PS anunciou que iria realizar audições e uma conferência parlamentar dedicadas ao setor da banca para elaborar um pacote legislativo até junho, com o objetivo de impedir os problemas recentes de diversas instituições.

“Introduzir legislação de proteção de clientes e trabalhadores do sistema bancário e financeiro, em particular face a práticas comerciais agressivas que implicam adoção de riscos não percebidos por agentes do mercado não qualificados” foi um dos três objetivos principais elencados pelo PS.

Os socialistas pretendem ainda “garantir uma separação clara e nítida, na relação com os clientes, entre a entidade financeira colocadora de títulos de dívida e capital e os grupos que detêm ou são detidos por essa entidade bancária”. Assegurar “uma separação clara entre a função de supervisão, prudencial e comportamental, e a função de resolução bancária, numa aproximação mais vasta, onde se inclui a interação e o escrutínio das instituições europeias” é outra vontade do PS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato dos quadros bancários quer estar presente na supervisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião