Seis hackathons de norte a sul. Para mudar o mundo

  • Juliana Nogueira Santos
  • 12 Março 2017

Se é programador e não perde uma boa maratona de hacking, o ECO deixa-lhe seis propostas que não pode perder.

Programar mais de 24 horas seguidas por uma causa maior? Também se faz por cá e há hackathons para todos os gostos. Deixamos seis propostas cujas soluções vão abarcar âmbitos tão distintos como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas ou a influência digital nas marcas.

InfluxTrust Global Hackathon

Quando? 10 a 12 de março

Onde? HOOD, Lisboa

Porquê? Os programadores vão estar 48 horas a escrever código sem parar, em nome dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Mas não será só em Lisboa que as teclas vão bater, sendo que são nove as cidades envolvidas neste projeto, desde o Bahrein até ao Rio de Janeiro. No caso específico lisboeta, os hackers vão se focar no nono objetivo, que trata a “Indústria, inovação e infraestruturas.”

Lisbon Green Hackathon

Quando? 11 e 12 de março

Onde? Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Porquê? Nesta segunda edição do Lisbon Green Hackathon, quinze equipas de quatro elementos cada vão passar 24 horas a desenvolver um protótipo que dê solução aos problemas energéticos e ambientais lançados pelos organizadores. Os prémios vão ser entregues ao projeto com mais impacto ambiental, ao melhor “green hack” e à melhor ideia empresarial. Este último terá direito a incubação virtual e dez horas de mentoria no TecLabs.

Hackathon FCT NOVA

Quando? 25 e 26 de março

Onde? Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Costa da Caparica

Porquê? Os estudantes da FCT vão ter neste hackathon uma oportunidade para treinarem as suas capacidades de programação e resolução de problemas. O tema é livre, pelo que todos terão liberdade total para criar os seus projetos.

I-COM Data Science Hackathons

Quando? 21 a 25 de abril

Onde? Porto

Porquê? Usando Data Science, os programadores terão de responder aos desafios propostos por várias marcas. A tecnológica Intel quer saber qual o impacto das discussões nas redes sociais, dos indicadores de saúde das marcas e da eficácia da publicidade nas compras de computadores. A Unilever propõe soluções no âmbito do impacto da informação digital e do passa palavra nas marcas sustentáveis.

Hack for Good

Quando? 24 e 25 de junho

Onde? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Porquê? Apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, este hackathon tem como objetivo principal criar uma ligação entre o setor tecnológico e o setor social. O tema desta segunda edição será a crise dos refugiados e os hackers terão de encontrar soluções no âmbito da infraestrutura, da educação, da identidade, da saúde e da inclusão.

Surf & Code Camp – React Edition

Quando? 30 de outubro a 5 de novembro

Onde? Cascais

Porquê? Há melhor combinação que treinar a mente e o corpo? Neste evento, os participantes poderão aprender a surfar e a programar e nos dois últimos dias terão de mostrar as suas novas competências num hackathon. As seis noites vão ser passadas no Nice Way Hostel.

Comentários ({{ total }})

Seis hackathons de norte a sul. Para mudar o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião