Programar um futuro mais sustentável

  • Juliana Nogueira Santos
  • 8 Março 2017

Na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, quinze equipas vão estar 24 horas a hackear pelo ambiente. Os vencedores poderão ver o seu projeto incubado.

E se a programação fosse utilizada para encontrar soluções mais sustentáveis? Boas notícias: já é. Na segunda edição do Lisbon Green Hackathon, quinze equipas de quatro elementos cada vão passar 24 horas a desenvolver um protótipo que dê solução aos problemas energéticos e ambientais lançados pelos organizadores.

A ideia foi do Centro para as Comunicações Sustentáveis do KTH Royal Institute of Technology de Estocolmo e foi trazida para Portugal pelo núcleo de estudantes do mestrado integrado de Engenharia da Energia e do Ambiente da Faculdade de Ciências de Lisboa. Este vai ter lugar na mesma faculdade, nos dias 11 e 12 de março.

Os “hackers“, ou programadores, vão começar o programa com uma série de fast talks apresentadas por empresas e empreendedores do ramo, seguindo-se uma sessão de brainstorming, em que as equipas vão ser separadas aleatoriamente. Só depois, às 12h00 de sábado, começará o hacking, onde as equipas vão ter de chegar a duas soluções para o mesmo problema, uma low cost e uma mais cara.

Depois disto, as equipas terão de preparar uma pequena apresentação ao júri, que irá avaliar o impacto ambiental, a inovação, a maturidade técnica e a ideia de negócio. Os prémios — sim, porque são três — vão ser entregues ao projeto com mais impacto ambiental, ao melhor “green hack” e à melhor ideia empresarial. Este último terá direito a incubação virtual e dez horas de mentoria no TecLabs.

A organização vão disponibilizar algum material, nomeadamente kits de soldadura, componentes eletrónicos e placas de ensaio para prototipagem. Adicionalmente, os participantes vão ter de levar um kit de sobrevivência — que deverá incluir um saco cama, uma muda de roupa, material de escrita e snacks para os mais esfomeados — e um kit tech — constituído por um computador portátil, respetivo carregador, software de desenvolvimento, ferramentas e extensões.

Já estão a decorrer vários workshops de preparação para o evento principal, que incluem soldadura eletrónica, Web Design e Raspberry Pi . Na primeira edição, que decorreu no ano passado, a melhor ideia empresarial consistia num protótipo de veículo aquático autónomo que detetaria fontes de poluição em alto mar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programar um futuro mais sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião