Vieira da Silva “em contacto” com Tomás Correia

  • Rita Atalaia
  • 14 Março 2017

António Tomás Correia confirma que está em "contacto permanente" com o Ministério do Trabalho. Ainda hoje falou com Vieira da Silva sobre o Montepio, diz o presidente da Associação Mutualista.

O ministro da Segurança Social e António Tomás Correia ainda hoje falaram sobre a situação do Montepio. Quem confirma é o presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, numa conferência de imprensa para esclarecer uma notícia do Público de que o auditor do banco, a KPMG, alertou para um buraco nas contas da Associação de 107 milhões de euros.

O presidente da dona do Montepio, a Associação Mutualista Montepio Geral, diz que está em “contacto permanente” com o Ministério do Trabalho. Um contacto que acontece por iniciativa de ambas as partes. António Tomás Correia confirma que ainda hoje esteve à conversa com o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva. “Há um diálogo franco, uma troca de informações, transparentes, como deve de ser”, diz.

As declarações são feitas depois de se saber que, em fevereiro de 2016, um grupo de elementos da Associação Mutualista Montepio Geral pediu uma audiência ao Ministério do Trabalho para alertar o Governo para a difícil situação financeira da Associação. Já na altura havia dados que permitiam detetar o risco de os capitais próprios entrarem no vermelho e de os prejuízos continuarem. Contudo, a reunião com a equipa do Ministério tutelado por Vieira da Silva só aconteceu em janeiro de 2017, sabe o ECO. Contactado, o Ministério do Trabalho não respondeu.

Esta terça-feira, a Associação Mutualista apresentou lucros de 7,4 milhões de euros em 2016 — um resultado muito acima do verificado um ano antes, quando registou prejuízos de 393,1 milhões de euros — e capitais próprios de 188,5 milhões de euros. Contudo, estes não são os resultados consolidados da Associação: aos números de 2016 falta acrescentar pelo menos dois efeitos de peso — os prejuízos da Caixa Económica Montepio Geral e os da Lusitânia Seguros, ramo não vida.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva “em contacto” com Tomás Correia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião