Holanda: Centro-direita derrota extrema-direita com metade dos votos contados

Com 75% dos votos apurados, o centro-direita holandeses derrotaram a extrema-direita de Wilders na Holanda. A confirmar-se, o atual primeiro-ministro continuará em funções.

“Esta foi a noite em que a Holanda disse não ao tipo errado de populismo”, afirmou o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte. Dos 150 lugares no Parlamento, o seu partido de centro-direita terá ficado com 31 deputados. Apesar de ter perdido garantidamente dez deputados, já é apontado como o grande vencedor das eleições legislativas.

Com 75% dos votos já estão contados e o partido de centro direita de Mark Rutte continua a liderar a corrida, com destacada vantagem.

Já o partido de Geert Wilders, o PVV, surge em segundo lugar, com 13% dos votos (ou seja, 19 deputados) e os democratas cristãos seguem no encalço com 12,5%. As anteriores sondagens avançada pelo Die Zeit, citado pelo The Guardian, colocavam-nos em segundo lugar. Já os Democratas 66, que estiveram em ex-aequo com o PVV em terceiro lugar caem para quarto lugar com 12%. Mas as diferenças entre partidos são muito curtas para que haja certezas entre vencedores e vencidos. Além disso, tudo aponta para que sejam o Democratas 66, com os seus 19 deputados, a formar coligação com o VVD de Mark Rutte, mesmo que seja numa coligação minoritária, avança a Bloomberg.

Tudo aponta para que o PVV não venha a integrar qualquer coligação governamental, já que todos os grandes partidos estão, à partida, a excluir a possibilidade de trabalhar com a extrema-direita. Contudo, isso não impediu Wilder de também se declarar vitorioso. Num twett, o líder de extrema-direita sublinhou que, uma vez que o VVD perdeu deputados e o PVV ganhou, o seu partido estava “entre os vencedores”. E acrescentou: “Se todos os perdedores como o VVD formarem Governo, então teremos de ter uma forte oposição de vencedores como o PVV”.

Os Verdes, o partido ambientalista de esquerda, também se declararam vencedores da noite já que as estimativas apontam para que o partido quadruplique o número de deputados para 16, com 9,3% dos votos. O partido do jovem líder, Jesse Klaver, pode assim ser uma boa hipótese de parceiro de coligação. Já o partido social-democrata trabalhista (PvdA), o atual parceiro de coligação de Rutte, parecia apontar para um resultado historicamente mau, assegurando apenas nove lugares contra os atuais 38.

“A nossa mensagem para a Holanda é a de que manteremos o nosso rumo e este país a salvo, estável e próspero”, disse o primeiro-ministro Rutte a uma multidão de apoiantes, nesta noite eleitoral. Aos olhos da Europa, esta foi mais do que uma eleição, acrescentou o responsável. “Muitos colegas europeus têm-me telefonado esta noite: esta era uma noite que, depois do Brexit e de Trump, a Holanda disse não ao tipo errado de populismo”.

As várias reações que vão chegando dos diferentes líderes internacionais também corroboram esta análise. Margaritis Schinas, porta-voz da Comissão Europeia confirmou que o presidente da Comissão Jean-Claude Juncker já tinha falado com Rutte felicitando-o pela sua “clara vitória”. Juncker aplaudiu o voto dos eleitores holandeses “contra os extremistas”.

Também o Presidente francês, François Hollande, já felicitou Rutte sublinhando que “os valores da abertura, respeito pelos outros e fé no futuro da Europa são a única verdadeira resposta aos impulsos nacionalistas e isolacionismo que estão a abalar o mundo”. Recorde-se que também França vai ter eleições presidenciais este ano — a campanha eleitoral começa no próximo mês — e tudo aponta para um eventual bom resultado da candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, que quer travar a imigração e até sair da União Europeia.

Tanto Rutte como como Wilders definiram as eleições holandesas como uma batalha entre a política institucional e as ideias populistas. Por isso, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, frisou que o resultado é positivo para uma “Europa mais forte”.

Perante estes resultados o leque de opções de Rutte para formar coligação é muito grande — pode dar-se o caso de ter de juntar três ou quatro partidos para conseguir a maioria de 76 lugares — e é quase certo que as negociações vão levar meses: a média na Holanda são três meses e o recorde mais de 200 dias, revela o Guardian.

Ora antes que as negociações para a formação de uma nova coligação orçamental se iniciem estar quinta-feira, o ainda primeiro-ministro holandês, quando questionado sobre o que iria fazer respondeu: “lecionar”.

Até agora o Governo era constituído entre centro-direita e os trabalhistas. Mas dada a queda de 29 deputados dos trabalhistas holandeses, o partido de centro-direita vai ter de encontrar outros parceiros de coligação para chegaram a uma maioria no Parlamento. Os 26,2% do atual primeiro-ministro Mark Rutte indicam que a disputa diplomática com a Turquia foi proveitosa, dado que aumentou o resultado face às sondagens anteriores.

Segundo as mesmas projeções oficiais da Ipsos, a afluência às urnas foi a maior de há 31 anos: 82%.

(Notícia em atualização)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Holanda: Centro-direita derrota extrema-direita com metade dos votos contados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião