Por que o Timex é o melhor relógio que o dinheiro pode comprar

  • Bloomberg
  • 15 Março 2017

Edições limitadas, assinadas e exclusivas: é esta a estratégia da Timex, não para vender mais mas para construir uma marca mais forte.

“Se disser a um americano ‘It takes a licking’, ele vai completar a frase”, diz Silvio Leonardi, executivo italiano da empresa que controla a Timex, com sede na Holanda, em referência ao slogan da marca “It takes a licking and keeps on ticking”. Leonardi é o vice-presidente sénior para os mercados internacionais e tem como missão manter a Timex como marca de estilo no mundo inteiro.

O Timex é, em termos culturais, o melhor relógio que o dinheiro pode comprar. Historicamente, a marca é sinónimo de um estilo prático e clássico tipicamente americano, oferecendo uma alternativa no jogo dos relógios que demonstram o status. George W. Bush usou um enquanto era presidente para reforçar a sua imagem de homem comum — apesar de o Timex também ser mencionado no livro humorístico The Official Preppy Handbook.

De Tóquio a Londres, nas montras das lojas masculinas da moda, o Timex aproveita a tradição (e o carinho dos consumidores por essa tradição) e vai recorrendo a tendências afins com a estética retro-chique. Este mês, o grupo lançou o Expedition Acadia, um relógio de inspiração militar criado em parceria com a marca operária Carhartt WIP. O modelo esgotou antes que os bloggers de moda masculina, ofegantes, conseguissem terminar de anunciar sua existência.

Também este mês, uma subdivisão criada há dois anos chamada Timex Archive vai tornar disponíveis alguns dos modelos mais antigos da marca, a coleção Metropolis, em lojas de primeira linha do mundo inteiro. Nos EUA, o mais provável é encontrá-los na Nordstrom e na American Rag.

Ao mesmo tempo, a Timex criou três edições especiais, produzidas em séries de 100 unidades cada, para os clientes elegantes que compram na Mr. Porter, uma tribo mais associada à marca Rolex. “Para uma empresa como a nossa, séries de apenas 100 unidades são basicamente um desperdício de dinheiro. Eu considero esta aposta muito mais como uma oportunidade de comunicação”, disse Leonardi. “Não estou a fazer com que a empresa fique mais rica. Estou a fazer a marca ficar mais forte.”

Em julho, a empresa lança a quarta colaboração com Todd Snyder. A relação do designer com a Timex remonta ao tempo em que ele dirigia a divisão masculina da J. Crew; a Timex testou o terreno da moda, pela primeira vez em 2008, com um relógio de inspiração militar. “O meu pai e o meu avô usavam esses relógios”, disse Snyder. “Era o relógio comum mais elegante daquele tempo.”

Aqui, o designer toca um aspeto fundamental da identidade da marca como item de estilo: qualquer brutamontes com dinheiro pode comprar um relógio caro, mas um Timex, com sua mistura exclusiva de nostalgia pessoal e de cultura popular, tem um valor sentimental especial.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por que o Timex é o melhor relógio que o dinheiro pode comprar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião