Operação Marquês: “Estavam todos feitos” na OPA

A OPA já foi há mais de uma década. A Sonae fracassou na compra da PT. "Foi muito injusto", diz Paulo Azevedo que remata: "estavam todos feitos". Agora a "justiça fará o seu trabalho".

Belmiro de Azevedo e o filho Paulo Azevedo, atual presidente executivo da SonaeJosé Coelho / Lusa

“De uma forma ou de outra, estavam todos feitos”. É assim que Paulo Azevedo, chairman e co-presidente executivo da Sonae, vê, uma década depois, o fracasso da OPA da Sonae à Portugal Telecom (PT), operação que está agora a ser investigada no âmbito da Operação Marquês, envolvendo o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Em 2006, a Sonae apresentou uma proposta para a compra da PT. A operação acabaria por falhar uma vez que os acionistas chumbaram a desblindagem dos estatutos, essencial para o sucesso da OPA. Na sequência desse chumbo, a PT acabou fazer o spin off da PT Multimédia e avançou com a venda da posição que detinha na Vivo à Telefónica, utilizando parte do encaixe para remunerar os acionistas e investir na Oi, empresa que agora está em processo de insolvência.

“De uma forma ou de outra, não escondo o agrado por se estar a falar nisto [na OPA]”, disse Paulo Azevedo em resposta a uma pergunta colocada pelo ECO, na conferência de apresentação dos resultados referentes a 2016. “De uma forma ou de outra, estavam todos feitos”, atira o presidente executivo da holding.

“Nós não somos de nos ficar a lamentar, fizemos a nossa vida. Foi de uma forma muito injusta [o fracasso da operação de aquisição da antiga operadora de telecomunicações], mas fizemos nosso caminho”, referiu o responsável. E acrescentou: agora, a “justiça fará o seu trabalho”.

Há dez anos, estavam à frente da PT Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. Os dois antigos gestores foram constituídos arguidos por fraude fiscal, corrupção passiva e branqueamento, no âmbito da Operação Marquês, processo no qual o antigo primeiro-ministro José Sócrates também já é arguido. Sócrates era primeiro-ministro à data da oferta da Sonae.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operação Marquês: “Estavam todos feitos” na OPA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião