Theresa May: “Vimos o pior da Humanidade”

  • ECO
  • 23 Março 2017

A primeira-ministra britânica promete mais policiamento nas ruas de Londres depois do ataque terrorista de 22 de março. E reforça que os valores do povo britânico vão prevalecer.

Depois de mais um ataque terrorista na capital londrina, que vitimou cinco pessoas, Theresa May afirmou, no Parlamento, que os britânicos viram “o pior da humanidade”. A primeira-ministra salientou, no entanto, que “os valores deste país vão prevalecer”. Diz que é preciso vencer o medo do terrorismo, anunciado um forte investimento na segurança dos cidadãos.

No discurso que apresentou esta manhã, Theresa May prometeu um maior contingente policial nas ruas de Londres, para a manutenção da segurança. E anunciou um reforço no orçamento, prometendo investir mais 2,5 mil milhões de libras para manter a população protegida destes ataques terroristas.

Theresa May chamou ainda a atenção para o facto de que o ato não vai conseguir quebrar o espírito dos britânicos e que eles “não estão com medo”: “Vamos continuar a fazer de Londres a melhor cidade do mundo. E é em milhões de atos de normalidade que se consegue a melhor resposta ao terrorismo”.

O atentado foi cometido por um único homem — já se suspeita de quem seja, mas a polícia britânica ainda não confirmou a identidade — que conduziu uma carrinha ao longo do tabuleiro da ponte de Westminster, atropelando diversos transeuntes, e saiu de seguida do veículo para esfaquear um polícia à entrada do complexo do Parlamento. Além de cinco mortos, há mais de 40 feridos.

Numa sessão em que a bandeira do país esteve a meia haste e se fez silêncio em homenagem às vítimas, a primeira-ministra louvou a atitude daqueles que se arriscaram para manterem os restantes em segurança, entre eles o polícia que acabou por morrer na sequência dos ferimentos provocados pelo atacante, quando tentava impedi-lo de avançar. “Os valores deste país vão prevalecer, vão vencer o medo do terrorismo”, disse May.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Theresa May: “Vimos o pior da Humanidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião