Espanhóis, italianos e polacos são os que mais vão a Fátima

  • Lusa
  • 26 Março 2017

Espanhóis, italianos e polacos estão, ano após ano, entre os estrangeiros que mais peregrinam a Fátima. E 2017 deve voltar a receber os devotos com a visita do papa Francisco, a 12 e 13 de maio.

Espanhóis, italianos e polacos estão, ano após ano, entre os estrangeiros que mais peregrinam a Fátima, de acordo com informação disponibilizada à Lusa pelo santuário, onde estará o papa Francisco a 12 e 13 de maio.

Segundo dados das peregrinações organizadas estrangeiras — as que são comunicadas aos serviços da instituição –, em 2007, quando se assinalaram 90 anos dos acontecimentos de Fátima, os italianos somaram 37.992 fiéis, seguindo-se os espanhóis (34.450) e, depois, os polacos (14.188). No total, nesse ano, foram 156.729 os peregrinos estrangeiros que se deslocaram ao santuário de forma organizada.

Em 2010, ano da visita de Bento XVI a Fátima, os peregrinos de Espanha já tinham ultrapassado os de Itália, 34.117 e 30.185, respetivamente, continuando os fiéis da Polónia em terceiro lugar entre os estrangeiros que mais visitam Fátima. Neste ano, foram 181.460 os peregrinos estrangeiros que se anunciaram nos serviços do maior templo mariano do país.

Em 2016, a Espanha continuou a liderar, com 32.387 peregrinos, surgindo depois os italianos (13.292) e os polacos (11.440), num total de 124.504 estrangeiros. À Lusa, a diretora de comunicação do Santuário de Fátima, Carmo Rodeia, explicou haver “uma proximidade geográfica a Espanha que, naturalmente, faz com que os espanhóis sejam peregrinos privilegiados”.

"Há uma proximidade geográfica a Espanha que, naturalmente, faz com que os espanhóis sejam peregrinos privilegiados.”

Carmo Rodeia

Diretora de comunicação do Santuário de Fátima

“Aliás, entre os turistas estrangeiros em Portugal, também os espanhóis continuam a dar cartas”, salientou. Adiantando que a estes sucedem os italianos e os polacos, a responsável referiu: “O pendor mariano do santuário também nos aproxima na fé e nesta devoção a Nossa Senhora de Fátima.”

Em Itália, existe um santuário dedicado à Virgem de Fátima, exemplificou, e na Polónia, país natal de João Paulo II, o papa que se fez peregrino por três vezes a Fátima (1982, 1991 e 2000),também há devoção à Virgem. “Aqui já não é a proximidade física, mas a proximidade da devoção, que nos aproxima desses dois países, fazendo com que haja uma presença muito significativa de peregrinos”, assinalou.

Carmo Rodeia acrescentou que “há sempre, permanentemente, imagens da Virgem Peregrina em peregrinação por Itália”, exemplificando que o ano passado uma dessas imagens “esteve quase seis meses” nesse país. Questionada sobre que outros países estrangeiros se destacam, a diretora de comunicação apontou a Coreia do Sul, de onde o ano passado se registaram cerca de quatro mil peregrinos.

“É fenómeno que está a ser estudado do ponto de vista da conversão ao catolicismo. Os grupos de sul-coreanos têm crescido no santuário”, referiu, observando que em 2016 houve, também, “um grupo muito expressivo de indianos [2.754]” e ucranianos (6.719). “Eu diria que, de uma maneira geral, a expressão do Santuário de Fátima em todo o mundo é uma constante e isso alegra-nos e reconforta-nos também perceber que podemos acolher aqui essas pessoas que são tão devotas de Nossa Senhora de Fátima”, salientou Carmo Rodeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanhóis, italianos e polacos são os que mais vão a Fátima

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião