EDP lança OPA sobre Renováveis. Venda da Naturgas financia operação

A empresa liderada por António Mexia detém, atualmente, 77,53% da EDP Renováveis. A casa mãe pretende comprar os restantes 22,47% e vai usar a venda da Naturgas para financiar a operação.

A EDP lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP Renováveis. O preço oferecido é de 6,80 euros por ação, valor que representa um prémio de 8,5% face à cotação de fecho desta segunda-feira. A empresa liderada por António Mexia detém 77,53% da EDP Renováveis e pretende comprar os 22,47% que ainda não controla. Essa compra, que poderá custar 1,3 mil milhões, será financiada com a venda da Naturgas, com a qual encaixou perto de 2,6 mil milhões de euros.

O anúncio foi feito, há momentos, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Torna-se pública a decisão de lançamento pela EDP de uma oferta pública geral e voluntária de aquisição de ações representativas do capital social da EDP Renováveis”, pode ler-se no comunicado.

A contrapartida oferecida, a pagar em numerário, é de 6,80 euros por ação, deduzido de qualquer montante (ilíquido) que venha a ser atribuído a cada ação, seja a título de dividendos, de adiantamento sobre lucros de exercício ou de distribuição de reservas, fazendo-se tal dedução a partir do momento em que o direito ao montante em questão tenha sido destacado das ações e se esse momento ocorrer antes da liquidação financeira da oferta”, acrescenta o comunicado.

O valor oferecido representa, ainda, um prémio de 10,5% em relação ao preço médio ponderado das ações da Renováveis nos últimos seis meses, detalha a EDP. Se a oferta for totalmente aceite pelos acionistas da Renováveis, a EDP terá de pagar 1.332 milhões para ficar com a Renováveis.

A operação será financiada com o encaixe resultante da venda da atividade de distribuição de gás em Espanha, que a EDP também anunciou esta tarde. A Naturgas Energía Distribuición foi comprada por um consórcio de investidores liderado pela Nature Investments, veículo instrumental criado pela Covalis Capital e pela White Summit Capital.

O comprador pagou 2.591 milhões de euros, valor que vai servir dois propósitos à EDP. Por um lado, terá “um impacto esperado de cerca de 2,3 mil milhões de euros na redução da dívida líquida da EDP em 2017“. Por outro, vai financiar a OPA lançada pela EDP Renováveis. “O encaixe financeiro resultante desta alienação será parcialmente aplicado na igualmente anunciada hoje potencial aquisição de ações da EDP Renováveis, atualmente detidas por acionistas minoritários”, detalha a EDP, em comunicado enviado à CMVM.

Esta segunda-feira, a EDP Renováveis fechou a valer 6,26 euros por ação. Na sessão de terça-feira, as negociações em bolsa vão decorrer normalmente, sem qualquer travão imposto pela CMVM, pelo que as ações da Renováveis deverão ajustar ao preço oferecido pela EDP.

Recorde-se que, em 2008, quando entrou em bolsa, a EDP Renováveis fixou em oito euros por ação o preço final de subscrição da Oferta Pública de Venda (OPV). O montante global dessa oferta ascendeu, assim, a 1.568 milhões de euros.

Agora, a OPA poderá levar à saída da Renováveis da bolsa, se a EDP vier a deter mais de 90% da empresa. “Caso a oferente venha a deter, em resultado da oferta, ações que ultrapassem 90% dos direitos de voto correspondentes ao capital social da sociedade visada, a oferente admite requerer a retirada das ações da sociedade visada do Euronext by Euronext Lisbon, o mercado regulamentado gerido pela Euronext Lisbon.

Notícia atualizada pela última vez às 20h09.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP lança OPA sobre Renováveis. Venda da Naturgas financia operação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião