Novo Banco: “É o momento de o Governo explicar o que está a pensar fazer”

Catarina Martins critica o Governo por seguir as recomendações da Comissão Europeia. Diz que o BE não participa na lógica de "limpar bancos privados para os voltar a entregar aos privados".

O Novo Banco vai ser vendido ao Lone Star, mas oficialmente ainda não foram conhecidos os detalhes da operação. Catarina Martins critica a operação, sublinhando que sempre foi contra a lógica de limpar bancos privado para os devolver aos privados. A líder do Bloco de Esquerda aguarda agora que o Governo explique os contornos do negócio.

“Há exigências da Comissão Europeia (CE) que o BE não acompanha. A CE tem dados os piores conselhos ao país”, começou por afirmar Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, notando que “o BE já disse ao Governo que cá está para defender o interesse público”. Na perspetiva do BE, vender o Novo Banco, vai contra o interesse público.

O Estado deverá vender 75% à Lone Star, mantendo os restantes 25% mas sem ter qualquer palavra a dizer. “Participar num banco sem ter poder, o BE já disse que é errado. Vai contra o interesse público. Faremos tudo para defender o interesse público“, rematou a responsável do BE em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

O Governo tem de explicar o que vai fazer agora, diz Catarina Martins, salientando que não é “o BE que vai divulgar números que o Governo não quis divulgar”.

O Governo recebeu os vários partidos com assento parlamentar para os informar sobre o processo de venda, tendo apontado os valores em questão nesta operação. No entanto, não os comunicou oficialmente. O Novo Banco vai ser vendido por um valor simbólico. Catarina Martins diz que não se pode continuar a “limpar bancos privados para os voltar a entregar aos privados”.

Está na altura do Governo dar explicações ao país“, acrescentou. Questionada sobre se se irá levar o tema da venda do Novo Banco ao Parlamento, Catarina Martins limitou-se a dizer que “é um tema que será debatido”. E aumentará a tensão entre o BE e o Governo? “As tensões existem e são conhecidas. Eram conhecidas as tensões em torno do sistema financeiro“, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: “É o momento de o Governo explicar o que está a pensar fazer”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião