Reestruturação do Novo Banco implicará 400 despedimentos

  • ECO
  • 29 Março 2017

António Costa disse esta terça-feira que a venda do Novo Banco será, ao que tudo indica, concluída esta semana. O Governo reuniu ontem com os partidos, revelando pormenores do plano de reestruturação.

A venda do Novo Banco deverá ser fechada esta semana com o fundo norte-americano Lone Star, segundo o primeiro-ministro. Os pormenores das negociações foram revelados aos partidos esta terça-feira e, segundo a Rádio Renascença, o plano de reestruturação implícito na venda vai obrigar ao despedimento de 400 trabalhadores. Além disso, o Novo Banco terá de fechar 55 balcões. Segundo os partidos ouvidos pela rádio, o negócio vai implicar responsabilidades pesadas para os contribuintes, tanto na participação direta como na indireta através do Fundo de Resolução, cujo financiamento tem sido do Estado.

As negociações, no entanto, ainda não estão fechadas. Tal como noticiou o ECO, existe um acordo com Bruxelas para permitir a participação e intervenção do Fundo de Resolução na venda de ativos problemáticos, no chamado ‘side bank’. Além disso, a DGComp permitiu que, apesar de não existir uma contra-garantia do Estado sobre estes ativos, a existência de uma garantia do Fundo de Resolução que se soma à participação de 25% do capital. Esta questão provocou uma má reação no setor bancário com queixas dos restantes bancos que temem um aumento da sua exposição ao Novo Banco.

Segundo a Renascença, esteve presente nas reuniões o responsável pelo processo de venda no Novo Banco, enquanto quadro do Banco de Portugal, o ex-secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro. Do lado do PSD a representante foi Maria Luís Albuquerque, a ministra das Finanças à altura da resolução do BES com a intervenção do Fundo de Resolução. O Executivo terá dito que não haverá qualquer injeção de capital no Novo Banco este ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reestruturação do Novo Banco implicará 400 despedimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião