MÈZË, o mediterrâneo à volta e sobre a mesa

Do sul da Europa ao Médio Oriente passando pelo Magrebe, a marca de acessórios de cozinha inspirados na cultura mediterrânica é completamente pensada e produzida em Portugal. Para o mundo.

Rodeado por tachos e panelas desde que se lembra, José Grilo decidiu esperar pelos 50 para realizar um sonho. Envolvido na Grilo Kitchenware, a empresa criada em 1929 e que percorreu três gerações de uma família do Porto, José não descansou enquanto não criou uma marca à sua imagem e ambição. No ano passado, depois de mais de três anos a trabalhar no conceito e nas primeiras peças, lançou a Mèzë, uma marca de acessórios de cozinha e mesa inspirados na cultura mediterrânica criada pela empresa, e que tem como objetivo fundamental fazer crescer o negócio internacionalmente.

Depois de apostar em empresas fora da ‘casa-mãe’, José voltou à empresa a tempo inteiro em 2006. “Prometi que um dia voltaria a fazer um projeto do género. O elemento agregador, que serve como unificador, é o mediterrâneo. A cultura da cozinha, da mesa. Quis apostar na fileira casa, table wear, num segmento premium”, conta José Grilo, em entrevista ao ECO.

Com um investimento de 500 mil euros e o designer, Pedro Sottomayor, escolhido para a tarefa, José Grilo avançou. “Há uma nova realidade de vendas que justifica o valor do investimento”, esclarece.

José Grilo, fundador da Mèze.D.R

E se, em 2012, começava a pensar seriamente no assunto, em 2013 arrancou a estruturação do projeto. O resultado foi a Mèzë, que significa cultura de mesa e de partilha. A marca foi apresentada ao público, pela primeira vez, em fevereiro de 2016, no salão Ambiente de Frankfurt, na Alemanha. Depois, esteve também em exposição no Interior Lifestyle Tokyo, no Japão. O primeiro ponto de venda da Mèzë foi nas Galerias Lafayette, em Pais, e o segundo nas lojas César Porto, em Lisboa e no Porto.

Queria que fosse um projeto com caráter e identidade para se afirmar em todo o mundo.

José Grilo

Mèzë

As peças da coleção tinham como ideia fundamental serem um elemento cultural diferenciado mas que usasse, ao mesmo tempo, design e materiais mais naturais como a cortiça ou a ardósia. Fabricados sobretudo com metal, madeira, cerâmica, vidro, cortiça, vime e pedras, todos oriundos do mediterrâneo, o produto principal da Mèzë é uma linha de acessórios para cozinhar inspirada na ideia do “imenso mar Mediterrâneo”.

Os planos de crescimento da marca passam por continuar a apostar em designers e parcerias internacionais, tirando o maior partido da patente registada pela marca: uma pega magnética que serve de chamariz a muitos dos clientes, um pouco por todo o mundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MÈZË, o mediterrâneo à volta e sobre a mesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião