Novo desenho do IRS em 2018 apoiará quem mais necessita

  • ECO
  • 30 Março 2017

Depois da diminuição de escalões do IRS levada a cabo por Vítor Gaspar em 2013, o sistema não foi mais alterado. O atual Governo quer fazê-lo em 2018, mas ainda está a estudar o novo esquema.

O programa do Governo previa uma revisão dos escalões do IRS e é isso que vai acontecer no Orçamento do Estado para 2018. A garantia foi dada esta quinta-feira pelo ministro das Finanças, em entrevista ao jornal Público, e já tinha sido dada pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Esta mudança “terá como objetivo apoiar aqueles que, do ponto de vista fiscal, mais necessitam desse apoio“, classificou Mário Centeno. Estas alterações vão constar do Programa de Estabilidade que o Executivo terá de apresentar no final de abril na Assembleia da República e junto das instituições europeias.

Centeno diz que estão a ser estudadas “várias medidas fiscais” para o próximo ano, mas não especifica quais. Garante apenas que no Programa Nacional de Reformas “haverá uma dimensão orçamental para ajustamentos na fiscalidade direta”. Segundo o titular da pasta das Finanças vêm aí “um conjunto de medidas que têm um enquadramento orçamental para poder chegar a indivíduos que, do ponto de vista fiscal, não têm o tratamento que outros já conseguem ter”.

No sábado passado, em entrevista ao Dinheiro Vivo, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais já tinha referido que “a perspetiva do Governo é poder fazê-la [a reformulação dos escalões do IRS] no Orçamento para 2018”. No início do ano, Rocha Andrade já tinha sinalizado que o objetivo passará por haver um alívio fiscal para os contribuintes, mas essa mudança está dependente da existência de margem orçamental para o fazer. “A reformulação dos escalões não pode ser feita em neutralidade fiscal, ou seja, sem uma redução da receita fiscal”, afirmou em janeiro.

Em 2013, o então ministro das Finanças, Vítor Gaspar, alterou os escalões do IRS – Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares — eliminando três escalões, passando assim de oito para cinco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo desenho do IRS em 2018 apoiará quem mais necessita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião