Troca de obrigações sénior vai dar 500 milhões ao Novo Banco

  • ECO
  • 31 Março 2017

Negociação dos títulos foi suspensa pelo regulador luxemburguês, onde foram emitidos. Estes obrigacionistas vão ver os seus títulos trocados por outros de forma a reforçar o capital do banco.

Os obrigacionistas seniores do Novo Banco vão ser chamados a, voluntariamente, trocarem os títulos de dívida que detêm por outros que permitam ao banco obter 500 milhões de euros para reforçar a posição de capital da instituição. Esta é uma das condições para que a venda ao Lone Star seja fechada.

A conclusão da operação de venda encontra-se dependente de “um exercício de gestão de passivos, sujeito a adesão dos obrigacionistas, que irá abranger as obrigações não subordinadas do Novo Banco e que, através da oferta de novas obrigações, permita gerar pelo menos 500 milhões de euros de fundos próprios elegíveis para o cômputo do rácio CET1“, diz o Banco de Portugal.

Há três critérios que serão tidos em conta: maturidade, remuneração e liquidez. Essa conversão, voluntária, incidirá sobre as obrigações séniores, podendo o capital necessário para o banco ser obtido, por exemplo, através da troca de títulos de muito longo prazo, com taxas elevadas, por outros de menor maturidade, com juros mais baixos.

Sendo esta uma das condições para o negócio de venda ao Lone Star, antes do anúncio oficial foram bloqueadas todas as obrigações emitidas pelo banco. “Por ordem da CSSF, a Bolsa do Luxemburgo autorizou a suspensão da cotação dos títulos (do Novo Banco] a partir de 31 de março, até novo aviso”, refere o comunicado. Foram mais de 40 as linhas de dívida que bloqueadas de negociação.

(Notícia corrigida às 18h35 com o anúncio oficial do Banco de Portugal. As obrigações vão ser trocadas de forma a gerar um impacto no capital de 500 milhões, não sendo obrigatoriamente convertidas em dívida de elevada subordinação ou ações como referido)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Troca de obrigações sénior vai dar 500 milhões ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião