Grupo André Jordan investe 100 milhões em novo projeto na região de Lisboa

  • Lusa
  • 5 Abril 2017

É uma nova fase do Belas Clube de Campo, no concelho de Sintra. Vão ser construídas 200 unidades, que incluem moradias, uma escola, uma unidade de saúde e um projeto para um centro hípico.

O grupo André Jordan anunciou hoje o investimento de 100 milhões de euros na construção das primeiras 200 unidades do projeto Lisbon Green Valley, que inclui moradias, uma escola, uma unidade de saúde e um projeto para um centro hípico.

Em declarações à Lusa, à margem da apresentação do projeto, o presidente do Conselho de Administração do grupo, Gilberto Jordan, disse que o empreendimento é uma nova fase do Belas Clube de Campo, no concelho de Sintra – onde atualmente vivem cerca de 750 famílias – e aposta num espaço para quem procura qualidade de vida, segurança e ligação à natureza, a 15 minutos do centro de Lisboa.

“Pessoas que gostam da qualidade de vida próxima do centro urbano. Estamos em Lisboa a dez minutos do centro. Pensamos que a oferta é o perfeito dos dois mundos, a natureza e a tranquilidade, com grande qualidade de construção a 15 minutos do Marquês de Pombal”, disse o responsável.

A aposta no mercado nacional é uma prioridade, mas dada a crescente procura internacional, o Lisbon Green Valley tem em curso uma estratégia específica para promoção do empreendimento a nível internacional, cuja procura se prevê atinja os 30/40%.

“As vendas vão arrancar agora, no mês que vem, fizemos um lançamento no Brasil com bastante recetividade e estamos muito satisfeitos”, disse Gilberto Jordan.

"As vendas vão arrancar agora, no mês que vem, fizemos um lançamento no Brasil com bastante recetividade e estamos muito satisfeitos.”

Gilberto Jordan

Presidente do Conselho de Administração do grupo André Jordan

A campanha internacional deverá ser posteriormente alargada a outros mercados, como o Reino Unido e a França, Escandinávia, Turquia e mercados orientais, dado o crescente interesse dos mesmos por Portugal.

Questionado sobre os planos do Grupo André Jordan, o responsável disse estarem “completamente focados” em Lisboa (Belas) e que no Algarve – onde têm o projeto Vilamoura XXI e Quinta do Lago – estão neste momento “quietos”, mas admitem realizar novos investimentos no futuro.

“O Belas é o maior conjunto residencial em Portugal, é muita gente junta que nos ocupa e gostamos de estar muito focados naquilo que sabemos fazer que é o setor residencial em volta de condomínios, golfe e lazer”, disse.

Temos 350 unidades para desenvolver, temos as mãos cheias”, acrescentou.

Inaugurado há cerca de duas décadas, o Belas Clube de Campo conta com aproximadamente cerca de 2.500 residentes. Os portugueses representam 90% da ocupação do empreendimento, mas neste momento residem no local famílias de 26 nacionalidades distintas.

O Lisbon Green Valley apresenta uma oferta que inclui lotes para construção de moradias, onde os proprietários podem desenvolver os seus próprios projetos.

A nova fase vai ainda receber uma escola – a Escola João de Deus -, uma unidade de saúde e um projeto para um Centro Hípico.

O público-alvo do empreendimento será, de acordo com Gilberto Jordan, a classe média alta, “casais com crianças, mas também já sem crianças, ou jovens que planeiam família”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo André Jordan investe 100 milhões em novo projeto na região de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião