Bagão Félix: Entrada das misericórdias no Montepio é “um disparate”

  • Lusa
  • 6 Abril 2017

"O espírito fundacional da Santa Casa é favorecer as pessoas que têm mais dificuldades", defende o antigo ministro do Trabalho e da Segurança Social.

A entrada das misericórdias no capital do Montepio é “um disparate”, já que a função daquelas instituições é ajudar pessoas e não fazer parte do capital de um banco. A ideia é defendida por António Bagão Félix, numa entrevista ao Público e à Rádio Renascença publicada esta quinta-feira.

Bagão Félix, que concorreu ao conselho fiscal nas últimas eleições para a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), mas perdeu, considerou que o “espírito fundacional e os estatutos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (…) é favorecer as pessoas que têm mais dificuldades, construir estruturas sociais para apoiar os grupos mais vulneráveis, do ponto de vista etário, relacional e económico e não fazer parte do capital de um banco”.

O ministro do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva, que tem a tutela da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, disse na quarta-feira que o Governo vê “com bons olhos” a “cooperação entre instituições da área social”, referindo-se a uma eventual entrada da Santa Casa como acionista da Caixa Económica Montepio Geral. O mesmo não pensa Bagão Félix. “Espero que não venha a acontecer. Além do mais, seria uma nacionalização parcial da Caixa Económica, por via da Santa Casa, que tem o exclusivo dos jogos sociais”, sublinhou.

Na entrevista, o ex-ministro do Trabalho e da Segurança Social, Finanças e ex-administrador do Banco de Portugal disse estar “preocupado, enquanto português, cidadão e contribuinte com a situação”.

"Devemos estar preocupados. No princípio não preocupa ninguém, mas o que temos verificado é que aquilo que começa apenas por ser o verbo e no fim é uma grande verba.”

Bagão Félix

Economista, antigo ministro

“Devemos estar preocupados. No princípio não preocupa ninguém, mas o que temos verificado é que aquilo que começa apenas por ser o verbo e no fim é uma grande verba. E as notícias recentes da Caixa Económica Montepio Geral [CEMG] — que é detida na totalidade pela AMMG –, sobre a possibilidade de outras entidades, como a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, poderem vir a fazer parte do capital da Caixa Económica Montepio Geral, são um absoluto contrassenso, um disparate”, disse.

Bagão Félix considerou também que “não há capacidade” no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, nos termos das suas competências, para conseguir supervisionar os produtos vendidos aos balcões da CEMG. “Evidentemente que não há ninguém… Não é uma crítica, é uma questão factual, sempre foi assim, não há ninguém nos serviços do Ministério que esteja preparado para se articular em termos de supervisão. Nesse sentido é mais adequado que a supervisão seja realizada pela autoridade de supervisão dos seguros e fundos de pensões”, sublinhou.

Questionado sobre se a situação no Montepio é parecida com a do Banco Espírito Santo, que vendia aos balcões produtos do Grupo Espírito Santo, Bagão Félix disse “não querer comparar, nem com a magnitude, nem com a natureza do incesto financeiro que havia entre os banco e os acionistas a montante”.

Quanto à possibilidade de mudança de nome, o ex-governante disse que “seria bom que uma mudança de nome resolvesse os problemas do banco”, mas “não resolve”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bagão Félix: Entrada das misericórdias no Montepio é “um disparate”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião