Dívidas dos hospitais crescem mais de um milhão por dia

  • ECO
  • 6 Abril 2017

Os hospitais públicos devem 844,6 milhões de euros à indústria farmacêutica. O valor cresce a um ritmo médio que ultrapassa o milhão de euros por dia.

A dívida dos hospitais públicos à indústria farmacêutica está a aumentar a um ritmo que supera o milhão de euros por dia, segundo revelou esta quarta-feira a Apifarma, a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica, escreve o Público. Embora se tenha registado uma queda grande na dívida em dezembro, nos dois primeiros meses deste ano a dívida voltou a crescer de forma acelerada, chegando aos 844,5 milhões de euros.

A Apifarma divulga o valor total da dívida no mesmo dia em que o Conselho Estratégico Nacional da Saúde (CNES) apela à criação de uma Lei de Meios do SNS (Serviço Nacional de Saúde). Não é um apelo novo, e a ideia é que o SNS possa ter uma gestão financeira plurianual, de forma semelhante ao que acontece com a Segurança Social.

Fevereiro foi um mês particularmente flagrante para a dívida dos hospitais públicos, escreve o Público, já que o ritmo de endividamento acelerou um pouco: as dívidas em atraso a diversos fornecedores, incluindo fora da indústria farmacêutica, “aumentaram 59 milhões de euros”, alerta o CNES, ficando 243 milhões de euros acima do valor registado no mesmo mês de 2016.

“Há um subfinanciamento crónico do SNS”, disse ao Público o presidente da Associação Nacional dos Administradores Hospitalares. No entanto, Alexandre Lourenço não acredita que deva haver injeções de dinheiro de forma indiscriminada no sistema de saúde, devendo antes ser dirigido para áreas prioritárias como as “dos investimentos, dos equipamentos e dos recursos humanos”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívidas dos hospitais crescem mais de um milhão por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião