Dois terços dos sites de viagens online não são fiáveis

  • Margarida Peixoto
  • 7 Abril 2017

Preços iniciais que não correspondem aos finais, promoções que afinal não estão disponíveis, preços confusos -- as autoridades comunitárias detetaram práticas fraudulentas em vários sites de viagens.

Dois terços dos sites de viagens não apresentam preços fiáveis — a conclusão é de uma investigação da Comissão Europeia com as autoridades de proteção dos consumidores europeus, lançada em outubro de 2016. Na sequência dos resultados, Bruxelas decidiu esta sexta-feira tomar medidas para obrigar os sites de viagens a corrigir as práticas fraudulentas que foram detetadas.

A investigação abrangeu 352 sites online de reserva de viagens. Em 235 destes sites, os preços não eram fiáveis. Porquê? A Comissão explica as várias situações detetadas:

  • Num terço dos casos, o primeiro preço indicado não correspondia ao final.
  • Num quinto das situações, as ofertas promocionais não estavam realmente disponíveis.
  • Em quase um terço dos casos o preço total ou a forma de o calcular não eram claros.
  • E num quarto das situações em que os sites avisavam ter um único alojamento disponível, essa restrição não correspondia efetivamente à realidade: a escassez de alojamentos referia-se apenas aos quartos disponíveis para reserva naquele site.

Perante estes resultados, a Comissão pediu aos sites em causa que adaptem as suas práticas em conformidade com a legislação comunitária de defesa dos consumidores, o que exige absoluta transparência de preços. Os sites serão contactados um por um e caso não corrijam as más práticas, as autoridades nacionais podem iniciar processos administrativos ou judiciais.

Comentários ({{ total }})

Dois terços dos sites de viagens online não são fiáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião