Dois terços dos sites de viagens online não são fiáveis

  • Margarida Peixoto
  • 7 Abril 2017

Preços iniciais que não correspondem aos finais, promoções que afinal não estão disponíveis, preços confusos -- as autoridades comunitárias detetaram práticas fraudulentas em vários sites de viagens.

Dois terços dos sites de viagens não apresentam preços fiáveis — a conclusão é de uma investigação da Comissão Europeia com as autoridades de proteção dos consumidores europeus, lançada em outubro de 2016. Na sequência dos resultados, Bruxelas decidiu esta sexta-feira tomar medidas para obrigar os sites de viagens a corrigir as práticas fraudulentas que foram detetadas.

A investigação abrangeu 352 sites online de reserva de viagens. Em 235 destes sites, os preços não eram fiáveis. Porquê? A Comissão explica as várias situações detetadas:

  • Num terço dos casos, o primeiro preço indicado não correspondia ao final.
  • Num quinto das situações, as ofertas promocionais não estavam realmente disponíveis.
  • Em quase um terço dos casos o preço total ou a forma de o calcular não eram claros.
  • E num quarto das situações em que os sites avisavam ter um único alojamento disponível, essa restrição não correspondia efetivamente à realidade: a escassez de alojamentos referia-se apenas aos quartos disponíveis para reserva naquele site.

Perante estes resultados, a Comissão pediu aos sites em causa que adaptem as suas práticas em conformidade com a legislação comunitária de defesa dos consumidores, o que exige absoluta transparência de preços. Os sites serão contactados um por um e caso não corrijam as más práticas, as autoridades nacionais podem iniciar processos administrativos ou judiciais.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dois terços dos sites de viagens online não são fiáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião