Pedro Rebelo de Sousa escolhido para presidente da assembleia geral do BCP

A próxima assembleia geral do BCP já tem data. Será a 10 de maio e Pedro Rebelo de Sousa é o nome proposto para presidente da mesa. Reunião vai confirmar também dois novos administradores.

O advogado Pedro Rebelo de Sousa é o nome proposto pelo Banco Comercial Português para presidente da Mesa da Assembleia Geral, enquanto Octávio Castelo Paulo deverá ficar como vice-presidente. Os nomes foram comunicados à CMVM esta segunda-feira e serão votados na próxima assembleia geral do banco, agendada para 10 de maio, sendo válidos para o triénio de 2017 a 2019.

Pedro Rebelo de Sousa, nascido em abril de 1955, é o irmão do atual Presidente da República. À data, exerce advocacia na empresa que fundou e ocupa cargos de administrador não executivo da Cimpor, presidente do conselho fiscal da Nova Base, entre outros. Somou ainda passagens pela Caixa Geral de Depósitos, pelo Banco Caixa Geral Brasil, pela Galp e pelo Banif. Octávio Castelo Paulo, nascido em março de 1964, também é advogado e administrador não executivo do Standard Bank de Angola.

Além de servir para aprovar e fechar as contas de 2016, a assembleia geral do BCP permitirá confirmar a cooptação do Conselho de Administração dos dois administradores escolhidos pela Fosun, o grupo chinês que é o maior acionista do BCP desde o início do ano. Linjiang Xu, gerente da Fosun Management em Portugal, deverá ocupar o cargo de vogal não executivo, enquanto João Nuno Palma, antigo vice-presidente do Banco Caixa Geral Brasil, ficará vogal executivo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Rebelo de Sousa escolhido para presidente da assembleia geral do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião