INE revê em baixa o défice de 2016 para 2%

INE revê em baixa o défice de 2016 para 2% face aos 2,1% inicialmente anunciados. Esta revisão confirma o anúncio feito por Marques Mendes no seu comentário da SIC este domingo.

João Leão, secretário de Estado do Orçamento, recebeu esta quarta-feira uma boa notícia do INE.Paula Nunes / ECO 27 outubro, 2016

O Instituto Nacional de Estatística reviu esta quarta-feira o défice de 2016 em baixa para os 2%, ao contrário dos 2,1% inicialmente anunciados. “De acordo com as regras europeias, o INE vai enviar hoje ao Eurostat uma revisão da primeira notificação de 2017 do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE)”, explica o Instituto, referindo que “a revisão determina uma redução do défice das administrações públicas de 2016, que ficou nos 2% do PIB (2,1% na anterior notificação)”. A primeira notificação foi divulgada a 24 de março.

Esta revisão acontece de forma “extraordinária” porque foi “identificado um erro” no tratamento da informação e dos dados das administrações locais. Esse erro teve um “impacto significativo” no défice das administração públicas, explica o gabinete de estatísticas português na notificação que enviou ao Eurostat esta quarta-feira.

A revisão determina uma melhoria no défice de 84,9 milhões de euros. Este montante corresponde a 0,05% do PIB. O défice de 2016, na primeira notificação do INE, tinha ficado nos 2,06% (valor também anunciado pelo ministro das Finanças na conferência de imprensa), pelo que a subtração do montante em causa levou o défice para os 2,01%. Em 2016, as contas públicas acabaram assim por ficar com um défice de 3.722,4 milhões de euros, ou seja, 2%.

(Notícia atualizada às 11h16)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE revê em baixa o défice de 2016 para 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião