Macedo: Rescisões na Caixa arrancam em abril

  • Marta Santos Silva
  • 12 Abril 2017

O presidente da instituição assumiu que o primeiro programa ainda não foi lançado mas sê-lo-á ainda este mês. A estratégia da Caixa também vai mudar: "Quer e precisa de dar mais crédito".

O programa de rescisões na Caixa Geral de Depósitos vai arrancar no mês de abril, disse esta quinta-feira o presidente da instituição no Parlamento. Paulo Macedo assumiu que não seria um processo agradável mas que os objetivos da Caixa eram “exequíveis”, com o primeiro programa de rescisões amigáveis a começar em abril.

O plano de reestruturação acordado com Bruxelas prevê que a CGD chegue a 2020 com um número de balcões entre 470 e 490, em comparação com os atuais 651. E está também previsto dispensar 2.200 pessoas, o que, segundo já tinha dito Paulo Macedo, o presidente executivo da Caixa, se fará, através de “pré-reformas e eventualmente rescisões por mútuo acordo”.

Também a estratégia da Caixa Geral de Depósitos vai mudar, assinala Paulo Macedo, ouvido na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no Parlamento. A instituição “quer e tem de crescer em crédito”, mas “sem repetir os erros do passado”.

Caixa quer apostar nas PMEs e dar menos crédito ao Estado

A Caixa Geral de Depósitos precisa de conceder mais crédito e quer apostar nessa estratégia, afirmou esta quarta-feira o presidente da instituição no Parlamento, mas “sem repetir os erros do passado”, com uma nova estratégia para a concessão de crédito. A estratégia passa por uma aposta maior nas pequenas e médias empresas e no crédito à habitação.

“A Caixa quer e tem de crescer em crédito”, reconheceu Paulo Macedo, embora assumindo que se trata de “um caminho novo” para a banca, que desde a crise de 2008 tem vindo sempre a desalavancar. “A Caixa tem liquidez, tem capital, tem crédito novo para conceder”, e quer apostá-lo nas PME, e não nas grandes empresas, às quais tem uma exposição demasiado grande, tendo sido estas as responsáveis “pela maior parte das imparidades”.

Por outro lado, a Caixa quer ainda conceder menos crédito ao setor público, uma redução “faseada no tempo” com mudanças de poucos pontos percentuais, assim como aumentar o crédito à habitação. Paulo Macedo reconhece que um aumento nessa área é “extremamente difícil, face às amortizações, mas a Caixa quer crescer aí”.

Outra mudança fundamental na concessão de crédito na Caixa é a relacionada com as suas políticas de risco, onde o banco vai, entre outras estratégias, procurar “reduzir a concentração da exposição ao risco imobiliário”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macedo: Rescisões na Caixa arrancam em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião