Dombrovskis: Há “apoio alargado” para que sejam criados bancos maus

  • Rita Atalaia
  • 18 Abril 2017

O vice-presidente da Comissão Europeia garante que há apoio suficiente para a criação de um banco mau que resolva o malparado dos países. António Costa já disse que a solução não passa por aqui.

O vice-presidente da Comissão Europeia defende que há um “apoio alargado” à criação de bancos maus nos países mais castigados pelo malparado. Valdis Dombrovskis diz que as chamadas empresas nacionais de gestão de ativos já funcionam em alguns Estados-membros e que se deve aproveitar a sua experiência. Apesar de defender que a União Europeia e os países podem unir esforços, o responsável europeu mantém o que já foi dito pelo Banco Central Europeu: cabe a cada um apresentar soluções para este problema que pesa no balanço dos bancos.

“Há um apoio alargado para desenvolver um plano sobre a criação de uma empresa nacional de gestão de ativos.” Ou seja, a criação de um banco mau, como aconteceu durante a crise financeira na Irlanda. É isto que defende o vice-presidente da Comissão Europeia na última conferência de imprensa do Ecofin realizado em Valeta, Malta. “Partilhamos a visão de que os rácios elevados de crédito malparado em vários Estados-membros estão a pesar no desempenho do setor bancário europeu e a ter implicações negativas para o crescimento económico.”

Apesar de a União Europeia e os Estados-membros poderem unir esforços para combaterem este entrave à rentabilidade dos bancos, o responsável europeu volta a salientar o que já foi dito por Mario Draghi: o problema do crédito malparado tem de ser resolvido por cada país. “O nível e a estrutura dos NPL (crédito malparado) difere de país para país e os instrumentos de política para resolver os NPL são da competência dos Estados-membros”, afirma.

Em Portugal, o primeiro-ministro, António Costa, já deixou claro que não vai nascer um banco “mau” para resolver este problema que existe no sistema financeiro nacional. António Costa disse, na altura, que o país precisa de uma instituição especializada em recuperação de crédito que valorize os ativos e que “não os faça serem tratados como lixo”.

Outra solução, defende Dombrovskis, pode ser um mercado secundário para os NPL. É preciso “explorar mais iniciativas que facilitem o desenvolvimento de um mercado secundário para os NPL”, salienta. “Dados comparáveis e de elevada qualidade sobre os NPL são indispensáveis para que isto aconteça porque os investidores precisam de saber o que estão a comprar.” Por isso é que, como primeiro passo, “pedimos à Autoridade Bancária Europeia para investigar a possibilidade de criar linhas de orientação padronizadas dos dados sobre NPL”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dombrovskis: Há “apoio alargado” para que sejam criados bancos maus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião