Direto Pedro Marques no ECO Talks: “O maior desafio foi passar do powerpoint à obra”

Esta terça-feira o ministro do Planeamento, responsável pela elaboração do Programa Nacional de Reformas, é o protagonista do ECO Talks. Veja aqui quais são os principais números deste documento.

O Programa Nacional de Reformas (PNR) foi aprovado, em conjunto com o Programa de Estabilidade, na passada quinta-feira em Conselho de Ministros. Este é o documento que atualiza a estratégia do Governo para o período 2016-2021 e são vários os números que pontuam as 83 páginas do PNR. O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, está esta terça-feira no ECO Talks, que se realiza no Altis Belém, para analisar as medidas que o Executivo tem preparadas para os próximos anos.

As medidas relacionadas com as pensões, por exemplo, vão implicar uma despesa de cerca de dois mil milhões de euros. Em 2017, no âmbito do Portugal 2020, será criado um novo Fundo de Capital de Risco, com uma dotação acumulada de 200 milhões de euros, direcionado para atrair investidores internacionais. Com os fundos comunitários, o Governo espera alcançar “um investimento previsto de mais de 4,2 mil milhões de euros a realizar maioritariamente até final de 2017”, refere o PNR. Para a qualificação dos portugueses estão destinados 109 milhões de euros.

No cenário macroeconómico internacional, o Governo espera que o preço médio do Brent (petróleo) se fixe nos 56,60 dólares em 2017. O Executivo espera que a procura externa “relevante” cresça 4% ao ano até 2021 e que o investimento (Formação Bruta de Capital Fixo) atinja suba 4,8% em 2017, depois de uma ligeira descida de 0,1% em 2016. Estas são algumas das previsões sobre as quais os ministros traçaram o futuro do país. Pedro Marques vai responder esta terça-feira a questões sobre esta estratégia que vai para além da atual legislatura, a qual termina a 2019. Acompanhe aqui o live blog, a partir das 9h00.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques no ECO Talks: “O maior desafio foi passar do powerpoint à obra”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião