Bloomberg: Portugal é uma “miragem keynesiana”

A teoria económica do economista inglês Keynes assenta no investimento público. Apesar de ter um Governo de esquerda, essa não tem sido a alternativa em Portugal, diz a Bloomberg.

No dia em que a DBRS se pronuncia sobre o rating da República portuguesa, a Bloomberg publica um artigo onde se refere a Portugal como uma “miragem keynesiana”. Apesar de reconhecer a vitória do “melhor défice da democracia”, desde 1974, a análise da agência de notícias internacional alerta que os “keynesianos não deveriam festejar tão cedo”. Porquê? É que o “milagre orçamental” português foi conseguido através da diminuição do investimento público para compensar a queda da receita fiscal.

O investimento público em Portugal em percentagem do PIB desde 1995.Bloomberg

Citando o Conselho de Finanças Públicas, a Bloomberg escreve que o investimento público em 2016 sofreu um corte de 28,9%. “Apenas 2,9 mil milhões de euros foram gastos em estradas, hospitais e semelhantes”, lê-se no artigo. Tal como o ECO noticiou quando o CFP divulgou o seu relatório, o investimento do Estado no ano passado ficou-se pelos 1,6% do PIB, o pior registo pelo menos desde 1995. Em comparação com o período pré-crise, o investimento foi cerca de um terço.

O Governo português está a redistribuir os frutos da recuperação [económica], mas está a falhar em plantar as sementes para uma nova colheita.

Ferdinando Giugliano

Bloomberg

Contudo, “não se deve colocar toda a culpa no Governo português”, admite o artigo, referindo que o investimento que chegou da União Europeia baixou para metade. “Ainda assim o Governo fez pouco para contrariar essa descida“, critica. Na opinião do autor do artigo, a estratégia de Lisboa não é uma alternativa de um modelo de esquerda que resulte num crescimento económico sustentável. “O Governo português está a redistribuir os frutos da recuperação [económica], mas está a falhar em plantar as sementes para uma nova colheita”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloomberg: Portugal é uma “miragem keynesiana”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião