Marcelo: Manutenção do rating é o esperado até haver decisão sobre défice

  • Lusa
  • 21 Abril 2017

O Presidente da República espera "boas notícias" depois do verão, quando Portugal, como se antecipa, já tiver saído do Procedimento por Défices Excessivos.

A manutenção do rating atribuído a Portugal pela DBRS é o esperado. Pelo menos, até haver uma decisão europeia sobre a saída do Procedimento por Défices Excessivos (PDE). É desta forma que Marcelo Rebelo de Sousa vê a manutenção do rating atribuído a Portugal pela agência de notação financeira canadiana, que, apesar de reconhecer os progressos do país, não eleva a nota por ver ainda “desafios significativos”.

“Era o que se esperava. Até haver uma decisão sobre a saída do processo de défice excessivo, não é de esperar que as agências subissem o rating. Depois de haver uma decisão, se for positiva, como é de esperar, aí, a seguir ao verão, é que poderá haver boas notícias“, declarou o Presidente da República, em resposta aos jornalistas, durante uma visita à Mesquita de Lisboa.

O chefe de Estado aproveitou ainda para referir que “hoje chegaram notícias boas, como uma previsão do ISEG de crescimento de 2,4% para o primeiro trimestre“. Esta é, no seu entender, uma estimativa até “um pouco excessiva”, mas “mostra uma tendência positiva”, acredita Marcelo. E recomenda: “Vamos esperar pelo fim do verão”.

A agência de notação financeira DBRS anunciou, esta sexta-feira, que decidiu manter o rating atribuído a Portugal em BBB (baixo), o primeiro nível de investimento acima do “lixo”, com perspetiva estável.

A DBRS justificou a manutenção do rating com fatores positivos, ligados ao cumprimento das regras europeias, mas também negativos, alertando que se colocam “desafios significativos” a Portugal, como os “níveis elevados de endividamento público e empresarial, um crescimento potencial baixo e pressões orçamentais”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: Manutenção do rating é o esperado até haver decisão sobre défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião