S&P vê Portugal no caminho certo para uma recuperação moderada

A agência de notação financeira faz uma avaliação positiva dos progressos das economias portuguesa, espanhola e grega.

A economia portuguesa está no caminho certo para uma “recuperação moderada”, acredita a S&P. Quase dez anos depois do início da crise financeira, e no dia em que a DBRS volta a avaliar o rating nacional, a S&P publica um relatório onde faz uma avaliação positiva dos progressos que têm sido feitos não só por Portugal, mas também por Espanha e Grécia, os países mais afetados por esta crise.

Sobre Portugal, a agência de notação financeira aponta que o país está a recuperar a um ritmo “mais lento” do que Espanha, mas reconhece o esforço que tem sido feito. Os ajustamentos externos “substanciais” recebidos por Portugal e Espanha levaram a conta corrente de ambos os países para um excedente, naquela que foi uma clara evolução face aos “défices insustentáveis que ambos os países apresentavam em 2008”, refere a S&P.

Já a nível do comércio internacional, tanto Portugal como Espanha vão conseguir melhorar o desempenho das exportações graças à melhoria da competitividade e a um euro fraco.

O elo mais fraco do relatório é a Grécia, penalizada por uma banca “fraca” e por recentes mudanças políticas, que continuam a colocar em causa as perspetivas de crescimento. “Acreditamos que a recuperação da economia grega e das perspetivas de investimento estão dependentes da retoma da confiança e da recuperação dos depósitos do sistema bancário, bem como da redução dos ativos tóxicos”, nota a S&P, citada pela Bloomberg.

Espanha, por seu lado, está na linha da frente da recuperação, com “um forte crescimento do emprego, consumo e exportações”. A S&P revê, por isso, o outlook do rating da dívida de longo prazo espanhola de estável para positivo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P vê Portugal no caminho certo para uma recuperação moderada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião