Eurostat valida défice de 2% em 2016

  • Margarida Peixoto
  • 24 Abril 2017

O organismo de estatísticas da União Europeia confirmou que o défice do ano passado foi de 2%, conforme os dados mais recentes apurados pelo Instituto Nacional de Estatística.

O Eurostat confirmou esta segunda-feira, sem reservas, o défice de 2% atingido em 2016, tal como já tinha apurado o Instituto Nacional de Estatística português. O organismo de Bruxelas coloca assim Portugal mais perto da saída do Procedimento por Défices Excessivos (PDE).

Também o valor da dívida pública foi confirmado nos 130,4% do PIB, o equivalente a 241,1 mil milhões de euros. Este é o terceiro valor mais elevado da União Europeia: a Grécia lidera o ranking com uma dívida pública de 179%, seguida pela Itália com 132,6%.

Conforme mostram os dados, o défice português é o quinto mais elevado da zona euro, e o oitavo do conjunto dos 28 países que ainda fazem parte da União Europeia. Luxemburgo destaca-se com o maior excedente orçamental (de 1,6% do PIB). Malta aparece em segundo lugar com um superavit de 1% e a Alemanha apresenta um excedente de 0,8% do PIB, o terceiro mais elevado do conjunto da moeda única.

Saldos orçamentais na zona euro, em 2016

Fonte: Eurostat

Quanto ao ajustamento, Portugal foi o quarto país da zona euro que mais ajustou o saldo orçamental global de 2015 para 2016. Os dados devem, porém, ser lidos com cautela, uma vez que estes números não descontam efeitos pontuais significativos, como por exemplo as ajudas à banca, nem outros efeitos extraordinários.

Seja como for, os dados permitem ver que a Alemanha, por exemplo, voltou a aumentar o seu excedente orçamental pelo terceiro ano consecutivo: a maior economia da zona euro registou um défice de apenas 0,2% do PIB em 2013 e desde 2014 até 2016 tem vindo sempre a aumentar o superavit.

Ajustamento orçamental de 2015 para 2016

Fonte: Eurostat

Já no que toca à dívida pública, Portugal compara com os piores. É certo que os valores são apurados na ótica de Maastricht, que não desconta os depósitos da administração central, e que refletem também ajudas à banca. Mas as regras são iguais para todos os Estados-membros.

Dívida Pública em 2016

Fonte: Eurostat

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurostat valida défice de 2% em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião