Mercados aplaudem voto francês: ações e euro disparam e juros caem

A passagem de Macron à segunda volta nas presidenciais francesas na liderança, agrada aos mercados que vêem mais longe o risco de Le Pen ser Presidente.

Macron em primeiro e Le Pen em segundo, juntos na segunda volta. O resultado da primeira volta das presidenciais francesas deste domingo tranquilizou os mercados e lançou o apetite dos investidores pelo risco. A aceleração de mais de 4% da bolsa de Paris dá o mote numa manhã que está a ser marcada por ganhos acentuados nos principais mercados acionistas europeus, ao mesmo tempo que o euro ganha força e os juros da dívida soberana beneficiam de um forte alívio.

A bolsa francesa que abriu a sessão desta segunda-feira na liderança dos ganhos europeus, vê o se índice de referência, o CAC 40 a manter a aceleração de mais de 4%. O índice de referência francês valoriza 4,24%, para os 5.273,55 pontos, o que corresponde ao patamar mais elevado desde o início do ano 2008. Contudo, os ganhos inundam os restantes índices bolsistas do Velho Continente. O Stoxx Europe 600, que agrega as 600 maiores capitalizações bolsistas europeias, acelera 1,89%, para os 385,28 pontos, o que corresponde ao nível mais elevado desde dezembro de 2015. Todos os setores que compõem o índice europeu registam subidas, com a banca a ser a principal referência positiva. O setor financeiro soma 4,21%, num todo. Valorizações que são acompanhadas pela praça lisboeta que vê o PSI-20 a somar 2,42%, para os 4.994,36 pontos, com o BCP a comandar os ganhos em Lisboa a acompanhar o desempenho do setor europeu.

Evolução do CAC francês

A liderança de Macron na primeira volta das presidenciais francesas agradou aos mercados, já que afasta a possibilidade da candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, chegar ao topo da hierarquia governativa de França, com este a receber manifestações de apoio por parte de candidatos derrotados. “Macron não irá apenas ajudar a estabilizar a União Europeia, como também ajudar a construir mecanismos de suporte mais fortes“, afirmou Azad Zangana, economista-chefe da Schroders para a Europa”, numa nota citada pela Bloomberg, justificando assim a forte subida das ações europeias. A queda da volatilidade do índice Stoxx Europe 600 para mínimos de 2005, é outra das faces visíveis do otimismo em torno do resultado eleitoral deste fim de semana.

No mercado cambial, o euro também reflete esse otimismo. A moeda comunitária acelera 1,34%, para os 1,09 dólares. Ou seja, para máximos de novembro do ano passado. No mercado da dívida o sentimento também é de alívio. As yields soberanas francesas lideram o movimento de alívio que se assiste um pouco por toda a Europa. No prazo a dez anos, a taxa de juro francesa recua 9,3 pontos base, para os 0,847%, o que corresponde ao patamar mais baixo desde janeiro deste ano. A dívida portuguesa figura também entre os maiores alívios. A yield nacional na maturidade a dez anos recua 9,3 pontos base para 3,647%, o que significa o valor mais baixo desde dezembro do ano passado.

“Este é o cenário perfeito de que o mercado estava, desesperadamente, à espera,” disse à Bloomberg Sebastien Galy, do Deutsche Bank, para justificar todo o ambiente favorável a que se assiste nos mercados do Velho Continente nesta sessão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercados aplaudem voto francês: ações e euro disparam e juros caem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião