BCP avança 6,24%. Banca europeia ganha com Emmanuel Macron

Emmanuel Macron ganhou a primeira volta em França e, além das obrigações da dívida, está a impulsionar o setor da banca na Europa. É o setor que mais ganha na bolsa. Só o BCP avança 6,24%.

A vitória de Emmanuel Macron na primeira volta das eleições francesas está a aliviar a tensão nos mercados que, esta segunda-feira, estão a avançar a todo o gás. No entanto, são os investidores da banca os que têm mais razões para celebrar. Em Portugal, as ações do BCP disparam 6,24% para 0,20 cêntimos cada título, sendo ainda as que, a esta hora, têm maior liquidez na bolsa.

Para o banco português, este é um máximo de todo o ano e uma das maiores valorizações intradiárias desde janeiro. Esta escalada sucede outra forte valorização na semana passada, em que as ações do BCP somaram 5,83% na última quarta-feira. Comparam só mesmo com a sessão de 31 de janeiro, o dia a seguir ao fecho da negociação dos direitos ao aumento de capital do banco liderado por Nuno Amado: nessa altura, os títulos do BCP avançaram 6,98%.

A generalidade dos setores está a assistir a ganhos esta segunda-feira, mas é o da banca o que está a gerar maiores ganhos nas bolsas europeias. Um índice que reúne as ações dos bancos da zona euro está a disparar 6,3%, segundo a Bloomberg. É a maior escalada do ano para o setor. “Podemos esperar um desempenho superior do setor financeiro em França e na Europa nos próximos dias à medida que o risco político diminui, algo que beneficiará todos os mercados de ações europeus”, confirmou Vincent Durel, da Fidelity International.

Os mercados têm assistido a uma reação positiva dos investidores aos resultados da primeira volta das eleições em França, com os índices a registarem fortes valorizações, sobretudo o francês CAC-40. Também o índice nacional, o PSI-20, está a assistir a ganhos esta segunda-feira. No mercado das obrigações, os juros da dívida portuguesa e francesa são dos que mais aliviam esta manhã.

Recorde-se que Emmanuel Macron e Marine Le Pen foram os candidatos que passaram à segunda volta, e que as sondagens antes das eleições dão como pouco provável que a candidata da Frente Nacional consiga bater Macron nessa segunda volta, a disputar a 7 de maio. Marine Le Pen era (e ainda é) uma nuvem a pairar sobre os mercados, sobretudo devido ao plano de retirar a França do euro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP avança 6,24%. Banca europeia ganha com Emmanuel Macron

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião