Banco de Portugal à margem da auditoria da Caixa

  • ECO
  • 26 Abril 2017

Banco de Portugal não pode participar na auditoria independente aos atos de gestão da CGD desde 2000 porque isso "extravasa claramente" as suas competências.

O Banco de Portugal considera que não pode participar na auditoria independente aos atos de gestão da Caixa Geral de Depósitos desde 2000 porque isso “extravasa claramente” as suas competências, avança o Jornal de Negócios (acesso pago) esta quarta-feira.

“O Banco de Portugal recebeu um pedido da CGD para considerar a possibilidade de participar na ‘coordenação e supervisão’ de uma auditoria independente a atos de gestão” levados a cabo desde 2000. Mas a resposta foi negativa. “O Banco de Portugal informou a CGD em fevereiro que as suas competências no que se refere a auditorias especiais às instituições supervisionadas (…) só lhe permitem exigir a realização de auditorias ‘ad hoc’ por uma entidade independente e unicamente para fins de supervisão prudencial”, respondeu o supervisor ao Jornal de Negócios.

A instituição liderada por Carlos Costa escusa-se assim a fazer uma auditoria às administrações de António de Sousa, Vítor Martins, Carlos Santos Ferreira, Fernando Faria de Oliveira e José e Matos, porque “uma eventual iniciativa do BdP para requerer ou participar numa auditoria aos atos de gestão da CGD extravasaria assim claramente as suas atribuições e competências, tanto à luz dos seus poderes de supervisor prudencial como de quaisquer outras das suas funções legais”, acrescenta ainda o Banco de Portugal, na mesma resposta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal à margem da auditoria da Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião